#good omens Tumblr posts

  • flamyangelwings
    26.10.2021 - 48 minutes ago

    Good Omens fic where the Crowley-Was-Raphael reveal is something along the lines of 'Gabriel and maybe some of the other Archangels show up to try and discorporate Aziraphael again, and Crowley has Had Enough and like tackles Gabriel, intercepting whatever attack, like "DO NOT TOUCH HIM!"

    Glasses? Off.

    Teeth? Razor Sharp.

    Wings? Out.

    All eight of them. Still looking like the galaxies their owner made.

    Archangels? SHOOK. Thought their youngest brother had been up in the stars the whole time.

    View Full
  • cassieoh
    26.10.2021 - 59 minutes ago

    as always, i can't decide which i like more, so here's two of them (they are a set)

    some soft winter times <3

    View Full
  • my-last-two-brain-cells-and-i
    26.10.2021 - 1 hour ago

    Yet another Good Omens and Star Wars headcanon I have

    George Lucas got the Idea for the sith’s burning yellow eyes from Crowley. Crowely probably went to the US for something or the other, went to a coffee shop or something took his glasses off (I saw someone’s hc that no matter how much he tries, he just can’t convince people he is a demon and I think that’s really on brand.) and George Lucas saw it and got inspired. 

    #yeah#good omens#star wars#sith#george lucas#crowley#headcanon #i am willing to die on this hill #you know what's better than one fandom? #two fandoms#combined together #you can't tell me this isn't what happned. #crowely totally watched star wars and went - Oi ! that's MY thing !! #Aziraphale was confused but secretly agreed #can i get a wahoo
    View Full
  • dreamcreator01
    26.10.2021 - 2 hours ago
    View Full
  • weeguttersnipe
    26.10.2021 - 2 hours ago

    I like spooky. Big spooky fan, me.

    Good Omens (English tv series, 2019)

    View Full
  • endlessomens
    26.10.2021 - 2 hours ago

    A rude parrot, a mini-makeover, and the mortifying ordeal of being objectified by a pirate captain. Read Chapter 4 of my pirate AU now: https://archiveofourown.org/works/34293808/chapters/86464096

    #stan’s fics #good omens fanfiction #pirate AU #Dark!Aziraphale #here there be demons
    View Full
  • dreamcreator01
    26.10.2021 - 2 hours ago
    View Full
  • supergeek21
    26.10.2021 - 2 hours ago

    Ineffable Con Zine Entry!

    Here’s another story appropriate for Spooky Season! Aziraphale and Crowley go for a relaxing holiday in the mountains and get scared silly!

    Written for the #ineffablecon3 zine

    #good omens #good omens fanfiction #crowley#aziraphale#fanfiction #archive of our own #ao3 #writers on tumblr #queer platonic partner #aroace#halloween
    View Full
  • ficfeed4332
    26.10.2021 - 3 hours ago
    #IFTTT #AO3 works tagged 'Aziraphale/Crowley (Good Omens)'
    View Full
  • apostate-crowley
    26.10.2021 - 3 hours ago

    Crowley (trans) assumes Aziraphale (werewolf) is also trans when he mentions his time of the month

    View Full
  • tresdemarts
    26.10.2021 - 4 hours ago

    When you try to skive off to see a good movie and...it doesn't go well

    View Full
  • glitchy-creations
    26.10.2021 - 4 hours ago

    In honour of the Season 2 announcement for the Amazon prime original Good Omens (that happened weeks ago) I decided to paint a little ornament inspired by the ineffable husbands themselves; Crowley and Aziraphale!

    I bought this cut of birch wood and thought the white/grey/black colouration of the wood would fit Crowley and Aziraphale well. I based the background on the season 2 poster as a way to add a little pop of colour since the subjects are very monotoned. I then added Crowley’s snake form and Aziraphale’s flaming sword alongside their wings just for some visual interest.

    I personally feel like the positions of the wings from the reference pic I was using reflects Crowley and Aziraphale’s personalities very well; the heart shaped wings remind me of Zira’s very loving and caring personality, while the open wings kind of looked like they were protecting the other set kind of like how Crowley wants to protect Aziraphale! Idk I thought it was a cute interpretation 🤧

    I also added their respective prophecies to the back b/c why not.

    #acrylic painting#art#good omens #good omens season 2 #crowly x aziraphale #crowley #crowley good omens #aziraphale #aziraphale good omens #ineffable husbands#wood painting #I love painting on wood
    View Full
  • hellandholywater
    26.10.2021 - 4 hours ago

    The Silence of Angels

    Summary: Aziraphale's antiquarian book habit comes back to bite him when acquires a 12th century codex of prophecies purporting to be by legendary sorcerer and seer, Merlin. Little does he know, reading this book will have far-reaching consequences for the angel, and for Crowley, that will change them, and what they mean to each other, forever. Rating: Teen & Up

    This was written for the Ineffable Con 3 Zine, but also happens to fit the "cursed" prompt for Racketghost's 13 days of Halloween.

    Beta read by the ever-kind @wordsintimeandspace, whose comments made this a much better story.

    Read on ao3

    ***

    Aziraphale was never happier than when he'd liberated an antiquarian or unusual book from someone who didn't appreciate the treasure. (Especially if he'd acquired it as a bargain.) On this day, he was ecstatic. The book he held was both unusual and very old — a 12th century codex of prophecies, allegedly by none other than the legendary sorcerer and seer, Merlin.

    He had rescued the volume from a local antique dealer who clearly had no idea what he'd had on his hands. Aziraphale had gotten it for £40 nine days before the Apocalapse. He had been desperate for any clues about the end of the world at the time, but with everything that had happened in the interim, he hadn't gotten around to reading it.

    Aziraphale (and his bookshop) had nearly been destroyed before the Apocalypse-that-wasn't only two days earlier. The angel was looking forward to a bit of light reading to distract himself from what had nearly happened. A new book of prophecy seemed just the ticket, and, if he were honest, he rather looked forward to noting the places where the author had gotten it wrong.

    He put on his glasses, sat back in his chair, and opened the book's blue leather cover. The volume was in remarkable condition, considering its age. The text was still dark and legible. Aziraphale settled in to read. At two pages in, he furrowed his brow slightly. By page eight, he was frowning, and by the 14th page, he was paying rapt attention. This author had so far gotten every single prophecy right — from a certain point of view.

    But then he came to a woodcut depicting four angels. In the first panel the first angel, who had pale curls, was reading aloud from a book. In the second panel the four angels were clasping their hands over their mouths. In the last panel, the first angel was flying in the direction of a large and familiar-looking snake. Aziraphale sucked in a breath.

    The text opposite was one of Merlin's prophecies, written in quite small text in Latin. Aziraphale squinted at it, muttering as he read.

    Ter columbus vates invocabit et silentium ad angelos incidet et miracula angelorum desinet. Columbus latibulo serpentum inquo is frangetur deinde reparabitur.

    The dove shall invoke the prophet three times, and silence shall descend upon the angels, and the miracles of the angels shall cease. The dove shall fly to the lair of the serpent where he shall be broken, then mended.

    Aziraphale thought he heard the distant lowing of ancient brass trumpets. Spooked, he stopped reading for a moment. The noise stopped. He read the passage aloud again more clearly. This time, there was no mistaking the timbre of brass notes.

    Aziraphale read the sentences again, faster, trying to banish the echo of trumpets reverberating through his head, but they only sounded louder. Quickly, he turned the page, but it was blank. He was certain that when he'd bought it, it had been complete. Feeling anxious, he turned back to the page he'd just read, and gasped when saw the black imprint of the text and fine lines of the images disappearing before his eyes. He jumped up from his chair and threw the book on his desk. Breathlessly, he turned to the first page, then the next, and the next. His chest felt like it had been compressed by an occult force that kept squeezing tighter. The book had been unwritten.

    Through the fog of panic, he did what he always did in recent years when things had gone desperately wrong: he called Crowley. The demon answered after two rings.

    "Hello Aziraphale! Bit late late for a call, isn't it? I was just thinking about turning in for the night."

    Aziraphale nearly wept with relief at hearing Crowley's voice. He opened his mouth to answer, to tell his friend about the trumpets and the book with the disappearing ink, but no sound came out. He tried shouting and whispering, but still, there was no sound.

    When he was met with silence, Crowley paused, and then said,"Is this about lunch tomorrow? Because I've already told you, you can pick the place! I just know you love sushi."

    Aziraphale tried one more time. "No, it's not that … Crowley, can't you hear me?"

    "The silent treatment, Aziraphale? Really?" the demon said petulantly. "Fine, have it your way," he said, referencing the argument they'd had earlier that day, "We can do the Wellington. Just don't come crying to me afterwards that it's too much like the Ritz." And he hung up.

    Wide-eyed, Aziraphale put the receiver down in the cradle of the ancient telephone, frozen in place, trying to get a grip on his emotions so he could think.

    He couldn't talk. But he didn't need to talk in order to work miracles. He raised his hand and snapped his fingers toward the ground.

    "Did it work?" he whispered — only he didn't make any sound at all. He tried it again, concentrating on being able to speak, but still, nothing.

    Aziraphale turned and strode to the coat rack, grabbing his coat and donning the long, beige garment.

    He quickly fetched one of the scarlet and gold A.Z. Fell & Co. bags he'd had custom printed for the bookshop in case he actually sold one of his precious books. (They'd had a minimum quantity of 500 bags, and he still had the majority of the order. That was in 1991.) Aziraphale picked the book up hesitantly, as if it were something that might bite him, and shoved the small volume in the bag. Then he opened his coat and put the bag in the oversized pocket he'd had his tailor add so he could take a book with him to a park or museum and always have something to read.

    He went out the front door and automatically tried to miracle the blinds closed on his way out, but nothing happened. A shiver started along his spine, and ran out to his fingers and toes. A chill spread throughout his chest. He was alone, truly alone, and defenseless for the first time.

    He locked the door and stepped down into the dim illumination of streetlights and the cirrus-shrouded moon. It was early in the morning, and no one was about. He trotted up Greek Street, then turned towards Mayfair and quickened his pace, propelled by adrenaline, until he was running. It didn't last long, because he was perpetually out of shape, but he kept on, alternating walking quickly with jogging, until he was across the street from the building with Crowley's flat. A half hour walk under normal circumstances, Aziraphale had made it in twenty-two minutes. Heaving a noiseless sigh of relief, he started to cross the road, looking right, and then left — and that's when he saw them.

    White-clad and angry, Michael and Uriel were headed straight for him. He turned to run the other way, but Sandalphon came around the corner, grabbed him by the collar, and shoved him into the wall behind him.

    Grimacing at him, Sandalphon reared back and, still gripping his collar, punched him in the stomach.

    Winded and doubled over in pain, Aziraphale slid to the ground. In an instant, Michael and Uriel were on him, and he covered his head with his arms as they kicked him, catching a bicep here, a rib there, and then his arms as they aimed for his head. He closed his eyes and surrendered to the assault, wondering, when he succumbed, whether his soul would return to Heaven as it had always done before, or go to Hell, or simply slip into oblivion.

    On the edge of unconsciousness, he heard someone yell, "Oi! Get off him!" The voice was familiar, and loved, and Aziraphale felt a sudden spark of hope.

    The kicking stopped as the angels turned around to face the challenger. Aziraphale opened his eyes and peered through his shaking arms in time to see the swift approach of black jeans and blacker snakeskin boots.

    The demon snapped his fingers and all three upright angels were thrown violently to the side. Another snap, and fire arose from the ground between them and Aziraphale. All four angels recoiled instinctively in fear. As the flames rose, Crowley gestured towards the three, and the blaze moved closer to them, and backed them down the street, cowering from the heat and the sparks. Crowley flung his hands towards them, and the fire surged forward. Aziraphale pushed himself up on an elbow to watch in amazement as they all turned and ran away, pursued by a five-foot wall of flames.

    "And don't come back!" Crowley yelled. The next moment, he was kneeling by Aziraphale's side.

    "Angel! Can you stand? C'mon, I'll help you."

    Crowley took his hand and ducked under his arm, putting it around his neck, and stood, wrapping his free arm gently but firmly around Aziraphale's back. With some difficulty, he helped him to stand, then cross the street and into his building.

    Crowley wouldn't let them stop until they'd ridden the lift to the top floor, crossed the hall, and he'd snapped the door open, then shut and locked and warded it behind them.

    Aziraphale winced, and when Crowley set him down on the sofa, he opened his mouth, crying out soundlessly.

    "It's all right, we're safe now, " Crowley reassured him in a rush. "Are you all right?" he asked in a worried tone.

    At Crowley's question, which he was utterly incapable of answering, Aziraphale silently huffed in frustration, which made his ribs hurt even more, and he winced again.

    "Aziraphale? What's wrong? Are you hurt?" Crowley furrowed his brow, removed his sunglasses and set them on the end table as he knelt down in front of him, putting his hand on his shoulder. Unfortunately, it was the shoulder that Michael had kicked with her sharp boots.

    Aziraphale shrank away from Crowley's hand then looked at him, stricken.

    "Right, that's it," Crowley said, and snapped his best healing miracle on the angel. Cautiously he reached out and gently put his hand back on his shoulder.

    Aziraphale sighed in relief and nodded at Crowley, then shrugged his shoulders, and ran his hands over his ribs to confirm that they were no longer broken.

    "What the Heaven was that all about? What happened?" Crowley asked, nodding in the direction of the street.

    Aziraphale automatically tried to respond. His lips moved, but no sound came out.

    Crowley frowned at him. Then he half smiled, as if Aziraphale had made a joke he didn't quite understand, and then frowned again, as if wondering if the joke was on him.

    Aziraphale closed his eyes and sighed heavily. He thought for a moment, then mimed writing something down.

    Crowley raised his eyebrows. "You … you want something to write with?"

    Aziraphale nodded vigorously.

    "Why? Angel, please, say something, this isn't funny."

    Aziraphale just sat and looked at Crowley with a forlorn expression.

    "All right, all right, I'm moving!" Crowley said, getting up and going to his desk, rummaging through the drawers. He returned with a Montblanc pen adorned with a snake clip, and an unused 1974 day planner with big, garish multicolored swirls on the cover.

    He handed them both over to Aziraphale, who immediately began writing in the book. Crowley slumped next to him on the sofa.

    Scribbling furiously, Aziraphale wrote about the book of prophecy, and the curse he seemed to be under, and then coming to find Crowley and being ambushed by the other angels. He looked up then to find Crowley looking at him with a combination of anxiety and impatience, so he finished his sentence, and handed the planner back to him.

    Crowley read the first few sentences and looked up, startled. "You can't talk at all?" he asked.

    Aziraphale shook his head mournfully, and Crowley continued to read.

    "You're under a curse?!"

    Aziraphale nodded, and Crowley stared at him open-mouthed for a moment before returning to the book. He had read for only a few seconds when he growled and snapped the book shut.

    "I will fucking obliterate them!" he shouted, standing up and starting to pace.

    Aziraphale shook his head emphatically, got up and took the book from Crowley, exasperated. He wrote in his book again, and handed it back.

    "Aziraphale, they almost killed you! If I hadn't seen you out the window…."

    The angel visibly drooped, his brow and eyes clenching in an effort to avoid crying.

    Crowley stepped forward and tentatively wrapped his arms around him. Aziraphale sighed raggedly, and hugged him back tightly, burrowing his face into Crowley's chest. Crowley rested his chin on Aziraphale's curls. They embraced for a long time, drawing comfort from each other.

    Aziraphale reluctantly pulled away, and took the day planner away to write in it again. He finished and handed it back.

    Crowley read it and frowned. "Angel, this was not your fault. You didn't realize what was going to happen! Stop blaming yourself," he added. "Besides, that lot deserve it," he added under his breath.

    Shaking his head, Aziraphale went to sit on the sofa again.

    "Anyway, I'm still able to perform miracles," Crowley said, taking two long strides to stand in front of the angel. "Let's get this curse removed," he continued, sounding tired, and snapped his fingers dramatically.

    Aziraphale beamed at him, and opened his mouth to say thank you, but no words came out. He cleared his throat and tried again, but again, there was no sound. He looked at Crowley beseechingly.

    Crowley concentrated, and snapped his fingers again. And again, Aziraphale tried to speak. The silence rang louder than words.

    The angel paled, and moved to fetch the book of prophecies from his coat, but the red A.Z.Fell and Co. bag was empty. He turned the pocket inside out, but there was nothing inside it. He sucked in a breath, returned to the sofa, picked up the journal and pen and started to write down an account of what had happened, hands shaking. When he was finished, he handed it to Crowley.

    The demon scanned the text, then read it again.

    "The book disappeared? It could be out on the pavement, though, or in the street. I could go look…. " And he turned and started to leave. Aziraphale grabbed his hand and allowed himself to be pulled to his feet by the demon, then shook his head, nodding at the empty bag, and Crowley stopped.

    "Yeah. All right. But what kind of book could create such a powerful effect, and then vanish without a trace? In six thousand years, I haven't seen anything like it."

    Aziraphale shook his head again, scribbled something in the journal, and handed it to the demon with a worried look.

    Crowley looked up at Aziraphale. "We will find a way to break this curse, Angel. I promise."

    Aziraphale looked at him and nodded gratefully.

    Crowley gave him a half smile, and then covered his mouth as he yawned. "Sorry, I'm a bit drained. That was a lot of heavy duty miracles for one night. I think I should nap before we work on your curse."

    Aziraphale nodded. Crowley fidgeted. Aziraphale tilted his head and raised his eyebrows expectantly.

    "Would you… no, never mind," Crowley finished dismissively, and turned to go. A hand caught his. Aziraphale's hand. When he turned in surprise, the angel flushed, but looked directly at him with an open expression. Crowley swallowed hard.

    "Come … sit with me while I sleep?" the demon asked, and held his breath.

    Aziraphale smiled and nodded, and squeezed his hand.

    Crowley let out his breath in a whoosh, then grinned, and pulled Aziraphale to his feet, leading him down the hallway.

    The angel's heart thumped so loudly in his chest, he wondered that Crowley didn't comment on it. His nerves were thrumming. They had kept watch over each other before over the years, but never like this. Aziraphale had never even seen Crowley's bedroom.

    Crowley led him to his bedroom door, and removed the ward on it before opening it. Inside, the walls were covered in a light gray wallpaper with a subtle pattern of leaves. Hanging plants draped the corners of the four-poster bed, and hung in each corner of the room. There was a painting over the double bed, unmistakably a Van Gogh, that wasn't in any catalogue in the world.

    Aziraphale recognized the walls of Eden instantly; the great expanse of desert, encircling the garden, the mountains in the distance, the lush green interior, and the suggestion of two tiny man-shaped beings on top of the wall: one white, one black. His heart clenched, remembering the moment he'd offered a sheltering wing to his adversary. He wondered what it meant that Crowley had chosen that moment to commission, and to hang above his bed, of all places. Aziraphale glanced at Crowley, who was flushed, and seemed apprehensive.

    Aziraphale smiled at him reassuringly, and looked at the painting again, his smile softening. He scribbled something in the journal and showed it to Crowley.

    "It's gorgeous! I love it. But why did you choose this moment in particular?"

    The demon's blush deepened, and he looked down. "Because that was the moment everything changed for me. I wasn't alone any more."

    Aziraphale looked at him like he'd just unveiled a basket full of kittens.

    "Please, just…." Crowley said awkwardly, and motioned for the angel to sit on top of the deep green duvet. He let go of Aziraphale's hand and went around to the other side of the bed, drew back the covers, and miracled himself into black silk pajamas.

    Aziraphale gingerly sat on the side of the bed the demon had indicated, fluffed the two pillows, and lay down with his head nestled on goose down in charcoal gray pillowcases.

    Crowley crawled into bed and pulled the sheet and duvet up to his chest, sighing in relief as his muscles relaxed. He looked over at the angel, who smiled at him warmly.

    "Night, Aziraphale," he murmured, snapping his fingers to dim the lamp. In the sudden dusk, Aziraphale felt brave enough to cup his hand on Crowley's shoulder, a lingering, warm squeeze. He looked upward as the light continued to fade, and his jaw dropped as he noticed the stars shining on the high ceiling. Not just the few bright stars you could see even in London, but the vast expanse of the Milky Way as it might have been seen on a dark night in ancient Mesopotamia.

    Aziraphale sat in the starlight and listened to the sound of Crowley's breathing slowing down, evening out as he drifted off to sleep. The angel kept watch over the demon through the night, sometimes looking up at the miracled galaxy above them, but most of the time watching Crowley sleep, wondering for the thousandth time at how beautiful he was, and how grateful he was to have him in his life.

    He was surprised to wake and find that he was curled up against the demon's back, his arm wrapped securely around him, his fingers entwined with Crowley's. He was breathing softly against his neck, and… oh dear. His effort was showing definite signs of interest in the whole arrangement. He retreated as best he could, hips first, then trying to extract his arm and retrieve his hand, but Crowley woke up and rolled towards him. Aziraphale blushed furiously and rolled away from him until he could calm his body's reaction to his proximity.

    "Morning, Angel," came a rough voice behind him.

    Aziraphale tried to speak, forgetting in the early morning haze that he couldn't, and that put a damper on his ardor faster than anything else could have done. He rolled back to face Crowley, smiling at his sleepy face despite his worries.

    "Ready to get up? We should get going as soon as possible, I think."

    Aziraphale nodded, and Crowley rolled away from him, towards the edge of the bed, and swung his long legs out as he pivoted to an upright position. He stood up and turned around, yawning and stretching his arms overhead, revealing a sliver of toned belly. Aziraphale sucked in a breath, derailed, and turned away from the sight, noticing the day planner as he did so. He reached for it as a drowning man might reach for a lifebuoy. He grabbed the pen and started writing. Crowley came around to his side of the bed and waited. Aziraphale finished and handed the book to him.

    Crowley read aloud, "I think we should start at the antique shop where I purchased the cursed book. The proprietor may know something."

    "Good idea, Angel. This the address?" Crowley inclined his head.

    Aziraphale nodded.

    "Sounds like a plan. Shower first. Then coffee."

    Aziraphale raised his brow and looked at Crowley hopefully.

    "And breakfast. I'll miracle you up a couple of croissants."

    Aziraphale beamed at him.

    ***

    Over a hurried breakfast of coffee for Crowley and a latte and two croissants for Aziraphale, the angel scrawled the idea he'd had while Crowley was in the shower (actually, he'd had several ideas, but the others involved being naked in the shower with the demon) in the journal and presented it to his companion.

    "So we need the name and contact information for the person who sold the book to the shop?" Crowley asked, sipping his coffee. He was sitting in the straight-backed bistro chair at the kitchen counter with his limbs in an improbable confusion of shapes.

    Aziraphale nodded, taking another bite of the chocolate croissant and moaning over the flaky pastry and bittersweet chocolate. Only no sound came out.

    Crowley looked at him oddly. Aziraphale quirked an eyebrow, and the demon cleared his throat. "It's nothing. We'd better get going. Finish your breakfast while I go pull the Bentley around."  

    Aziraphale ate the rest of his croissant quickly, and got up to follow Crowley outside. He had waited on the kerb for less than a minute when the Bentley pulled into a hastily abandoned parking spot directly in front of the flat.

    Crowley leaned over to unlock the door, and Aziraphale got in the car.

    Aziraphale opened the journal and wrote down the name of the antique shop for Crowley, who quickly located it relative to landmarks he knew, and started navigating.

    The ginger demon pulled out smartly into traffic and hit the accelerator, causing Aziraphale to grip the dash until he had white knuckles and looked as if he was going to be sick. But they arrived at Oliver Heath Antiques, Ltd., in minutes.

    Aziraphale followed Crowley inside, and found the same clerk who had served Aziraphale previously. After Crowley explained what they were looking for, the clerk went to get Mr. Oliver Heath. Moments later an elderly man emerged from the curtain behind the register.

    "Yes, sir, I understand you are looking for more information about Merlin's book of prophecies?"

    "We are," Crowley replied emphatically.

    "I'm afraid the only thing I can tell you is that I purchased it as part of an estate lot. The woman who sold it to me seemed quite ordinary."

    "We'll need her name and contact information," said Crowley, using the demonic intonation that humans found impossible to refuse.

    "I couldn't…. Yes, sir. I have it right here," he said, reaching for a ledger under the register. He found the woman's name, Moira Smith, and address in Upper Farringdon in Alton, and no other contact information.

    "Well, Angel, looks like we're headed to the South Downs," Crowley said, handing the ledger to Aziraphale.

    The angel wrote down the address in the gaudy day planner, and handed the ledger back to the proprietor with a beatific smile.

    Aziraphale followed Crowley outside and got in the Bentley. Crowley consulted his phone as he swung into the driver's seat.

    "Google says it's two hours to Upper Farringdon, so I reckon we'll make it in about an hour and fifteen minutes."

    Aziraphale nodded, and gripped the dash as Crowley pulled out into traffic again. Despite the judicious use of miracles, it took a while to get out of Central London, but once they were clear on the A3, Crowley quickly shifted gears to fourth, and floored the accelerator. The Bentley roared and devoured the road in front of them.

    Aziraphale gradually relaxed his grip and finally sat back in the leather seat. Every now and then he glanced at Crowley, and a few times he caught the demon looking at him with what appeared to be concern. His supposition was confirmed when Crowley finally broke the silence between them.

    "All right, Angel?"

    Aziraphale nodded, and then went back to watching the road. After about half an hour the road had changed to the A31, and not long after that they were slowing down to drive past Chawton (last home of Jane Austen) and through Lower Farringdon. A few minutes later, they pulled into the drive listed as the seller's address. It was a charming thatched cottage with a large garden partially visible from the drive, and had a realtor's sign out front. The rose bushes flanking the front door were just beginning to bud. There was a double carport with a free spot, so Crowley pulled in and cut off the engine.

    The two of them got out of the car and went to the front entrance, and Crowley knocked on the door. Moments later, a young woman, perhaps in her early thirties, answered the door.

    Crowley put on his most charming smile. "Hello! I'm sorry to intrude on your day, but we were given your name and address by Oliver Heath, of the antique shop in Soho. He said you sold him a book of Merlin's prophecies, which we are very interested in learning more about."

    The woman's puzzled look gave way to comprehension, and then polite curiosity. "Oh yes, won't you come in."

    She led them through the foyer and kitchen, and into a sunroom whose bones were made of stout wooden beams. The three of them sat in the light room, and then the woman said, "I'm Moira, though I suppose you know that already. You were asking about a book?"

    "Yes, Merlin's book of prophecies. It was dated by Mr. Heath as being a 12th century volume."

    "I remember that one. Blue cover with embossed silver letters. It was my uncle's, he collected all sorts of odd, rare books and papers. What were you looking to know?"

    "Anything you can tell us about the book, the author, the prophecies — did you ever read it and notice anything, I dunno, odd?" Crowley said. "And, especially, were there any other volumes or books by the same author?"

    Aziraphale looked at the woman hopefully.

    "Nothing like that, I'm afraid, but I remember there was a woman from that library at Oxford who was interested in the book. I think she had a manuscript that was supposedly authored by Merlin that was even earlier than the one I sold to Mr. Heath. Is that at all helpful?"

    Crowley and Aziraphale exchanged a pointed look.

    "Yeah, I think it might be. Thanks for your help. And I'm afraid we're in a bit of a rush, and must be on our way."

    Angel and demon were escorted to the front entrance, and then Crowley paused.

    "Can you tell me what the asking price is for this house?"

    Aziraphale looked at Crowley in surprise.

    "Just under 1.2 million. Why, are you two shopping for a cottage?"

    Aziraphale froze, listening for Crowley's answer.

    "Er… not really. Just asking," and Crowley cast a sideways glance at Aziraphale, who was looking at him curiously.

    "Here, take a leaflet, just in case you change your mind," Moira said, handing one of the real estate flyers to the demon, who folded it into an improbably small package and stuffed it into the front pocket of his jeans.

    They said goodbye to Moira and got in the car. Crowley looked at his phone, poking it for directions to the Bodleian Library in Oxford. "Hour and a half, it says. So, maybe a bit more than an hour. How are you doing, Angel? All right to go on, or do you need to break for early lunch?"

    Aziraphale scribbled something in the day planner and showed Crowley.

    "The special collections are in the Weston Library? Yes, yes, I'm a Philistine," Crowley continued at the roll of Aziraphale's eyes. "How are we supposed to find this manuscript?" He waited for Aziraphale to write a couple of sentences. "Give you my phone?" he said skeptically. "Aziraphale, you don't even own a cell phone, never mind a smartphone."

    Aziraphale held out a hand and nodded towards his open palm.

    Crowley hesitated for a long moment, then deposited his phone in the angel's hand.

    Aziraphale smiled at him gratefully. He looked for the familiar email symbol, tapped it, then the "Compose" button, and entered a long string for the "To:" email address. He entered as the subject, "Request to view original manuscript," and then keyed in a message. When he was finished, he turned it so that Crowley could view it.

    Dear Imogen,
    I have an urgent need to consult any original, pre-13th century manuscripts, codices, or other materials you may have that are ostensibly authored by Merlin. Crowley and I will be in Oxford in approximately one hour, and I would be greatly in your debt if you could arrange for us to view any such materials at that time.
    With every good wish,
    Aziraphale

    Crowley nodded and Aziraphale hit the send button.

    Crowley started the Bentley, and Aziraphale hung on for dear life as he peeled out of the drive and made for the A31 at demonic speed.

    ***

    One hour and seven minutes later, and somehow with no fatalities, Crowley parked on Broad Street a block away from the Weston Library. He checked his phone and opened the reply from Imogen, then read the brief message aloud.

    Dear Aziraphale,
    I will see what I can find, and meet you in the Rare Books & Manuscripts reading room.
    Lovely to hear from you,
    Imogen

    Aziraphale beamed at Crowley, who grinned back. They got out of the car and crossed the street to the library.

    Upon entering, they were greeted by a young man behind the front desk. Crowley approached him, explaining that they had an appointment with one of the curators.

    "Of course, sir. Could I see your reader card for a moment?"

    Aziraphale stepped forward and got out his wallet, found the card in question and handed it to him with a smile. The young man scanned the card and consulted his computer, then handed the card back.

    "It looks like Dr. Thompson will meet you in the Rare Books & Manuscripts reading room with your materials at 11 o'clock. And you sir?"

    Crowley stared at him blankly for a moment, then snapped his fingers and handed him what appeared to be a Bodleian Reader card with full access.

    "Very good, sir, I'll buzz you both in."

    Once through the electronically sealed doors, Aziraphale led the way confidently down corridors, through doors and turns, until they reached a room that was more dimly lit than the rest. The walls were lined with shelves full of books, the high ceilings were crossed with warm wooden beams, and narrow windows punctuated the wall on the right side. Round-backed chairs were lined up behind long desks with the odd book stand. There were only two people in the room: a middle-aged man who suddenly felt he needed to be elsewhere, and a young brunette who walked up to Aziraphale and hugged him.

    "Aziraphale, it's so good to see you again. And this must be Crowley," she said, shaking his hand before turning back to the angel. "Here's what I was able to find that's not been digitized. There are two 12th century codices purporting to be by Merlin. They're both in fair condition, given their age. But this one is more intriguing — it's a 12th century manuscript, a little earlier than the others, but the condition is exceptional. I've seen modern volumes with more wear and tear."

    At this, Aziraphale and Crowley perked up and exchanged glances.

    "Er… do you have any questions?" Imogen asked Aziraphale.

    Aziraphale looked to Crowley, who turned to the woman and smiled. "Aziraphale is suffering from a nasty case of laryngitis. Not supposed to talk or make any kind of noise for 48 hours," Crowley bluffed.

    "Aw, I'm sorry to hear that. I was looking forward to catching up with you," said Imogen, looking disappointed. "But I understand — you need to listen to your doctor's orders. Well, I won't keep you. Just ring me when you've finished looking through these," she said, and left the room with a wave.

    Aziraphale waved goodbye to her, then turned to the box of books. The manuscript on top was gathered in a blue leather binder with embossed letters that read, "Prophetiæ Merlini." The angel carefully removed it from the box and set it down on the desk. He started reading, and chills ran down his spine, raising goosebumps on his arms, as he recognized the text. He read onward, and Crowley stood beside him, a solid and unwavering presence.

    Aziraphale shivered as he read the prophecies from the source. When he got to the one that had cursed him and the other angels with silence, he paused.

    "Aziraphale? Are you all right?" Crowley asked quietly.

    Just then, a ray of sunlight hit the text. And suddenly, a handwritten note in the margin of the page shone in silver:

    Iter est in tē manu
    The way is within thy reach

    Aziraphale stared at the newly revealed prophecy, mouth open. The demon stilled, holding his breath. What could it mean? The angel looked towards the other two unopened books, and for a moment wondered if the answer lay within one of them. He turned to look at Crowley, the demon's chestnut hair limned in the golden light of the sun. And he knew.

    He turned to face Crowley, and as if in a dream he reached up and removed the demon's sunglasses and set them on the desk, watching as his eyes closed. Aziraphale raised his left hand to stroke Crowley's right cheek up to his serpent tattoo, and cupped his face as he leaned into the angel's caress. Aziraphale ran his hand through his hair to the back of his head, and coaxed him downward until their mouths met in a searing kiss, light to dark, risen to fallen, and the angel and the demon groaned as one.

    "Angel…" Crowley whispered, eyes fluttering open.

    "Crowley… After all the stories I've read, I should have known."

    "Known what? answered the demon in a daze.

    Aziraphale smiled at him. "That the answer would be love."

    "You love me?"

    "I love you."

    "I love you, too, Angel. Since you told me you gave away your flaming sword."

    Aziraphale's heart ached, and he castigated himself for failing to recognize what the demon had realized six thousand years ago.

    "Will you forgive me for being so slow?"

    "You were a bit thick," Crowley teased. "But you're with me now?"

    "I'm here now, and for always. I promise."

    And they kissed again.

    ***

    That afternoon, they returned to the bookshop together. Aziraphale opened the door for them, locking and warding it behind them. Crowley immediately headed for the sofa, but Aziraphale caught his fingers and pulled him close.

    "I thought we might go upstairs," Aziraphale suggested, and there was a hint of heat in his tone and eyes that was new.

    Crowley swallowed audibly. "I'd like that," he replied.

    Aziraphale backed him against the bookshelves and kissed him in a way that made the demon whine.

    They broke apart after a minute, breath quickening, and Aziraphale led Crowley up the spiral staircase to the flat at the top.

    ***

    It wasn't unusual for A.Z. Fell and Co. to be closed for a day or two, but during this week, the regulars had been disappointed every day, and telephonic enquiries were met with a taped message dated several years previous.

    But one observant barista across the street noted that when Aziraphale finally emerged, holding hands with the tall, spindly, red-haired hipster who sometimes came in for a coffee, they were both grinning like fools.

    ***

    A week later, Crowley drove Aziraphale back to the thatched cottage in the South Downs, explaining that Moira had found another old and rare book she thought he might be interested in. The realtor's sign was still up, this time with a large red "Sold" snipe in one corner. But Aziraphale was distracted by the multitude of roses in full bloom along the front of the cottage, so when Crowley, standing nervously on the porch, handed the angel a large key, he still didn't understand, and looked at the demon in confusion.

    "Go on," Crowley said, nodding towards the door. "Try the key."

    "What?"

    "It's ours," he said, and grinned as comprehension slowly dawned on the angel.

    "The cottage? You bought it?" asked Aziraphale, incredulously.

    "Yeah," Crowley nodded. "Is that all right?"

    Aziraphale threw his arms around him, hugging him tightly.

    "It's marvelous, my dear. You really are the kindest person."

    The demon hid his face in the angel's hair, the very picture of the mortifying ordeal of being known.

    Suddenly, Aziraphale pulled back, eyes narrowed. "Wait — does this mean there's no book?"

    Crowley stared at him for a beat, then threw back his head and laughed.

    #Good Omens #Good Omens fic #ineffable husbands#Aziraphale/Crowley #racket's 13 days of halloween #hurt/comfort#fluff#curses #sharing a bed #some sexually suggestive content #the bodleian library #south downs cottage #some violence #but no blood and it's over quickly #aziraphale x crowley #crowley/aziraphale #crowley x aziraphale
    View Full
  • ao3feed-ineffablehusbandz
    26.10.2021 - 4 hours ago

    On curses, and the breaking of them.

    by doomed_spectacles

    Crowley still doesn't turn. He watches the wood grain of the door as it doesn't char. It doesn't combust or break into splinters under the pressure of a firehose and yet Crowley still watches it.

    AZIRAPHALE: No! It's my turn to tell a story about a curse.

    Words: 1252, Chapters: 1/1, Language: English

    Series: Part 7 of Spooky Omens 2: The Spookening

    Fandoms: Good Omens (TV)

    Rating: Teen And Up Audiences

    Warnings: No Archive Warnings Apply

    Categories: M/M

    Characters: Aziraphale (Good Omens), Crowley (Good Omens)

    Relationships: Aziraphale/Crowley (Good Omens)

    Additional Tags: Background Original Character - Freeform, Screenplay/Script Format, Light Angst, Feels, Implied Sexual Content, First Time, Morning After, Miscommunication, Sad with a Happy Ending, Crowley Loves Aziraphale (Good Omens)

    Link: https://archiveofourown.org/works/34728463

    View Full
  • ao3feed-ineffablehusbandz
    26.10.2021 - 4 hours ago

    nothing burns like the cold

    by Phoenix_Soar

    Ensnared by a mysterious spirit that inhabits a snowy forest, Crowley struggles with despair and fading hope while fulfilling his end of a coerced, carnal promise.

    (Yuki Onna AU)

    Words: 1219, Chapters: 1/1, Language: English

    Fandoms: Good Omens - Neil Gaiman & Terry Pratchett, Good Omens (TV)

    Rating: Explicit

    Warnings: Rape/Non-Con

    Categories: F/M, Other

    Characters: Crowley (Good Omens), Aziraphale (Good Omens)

    Relationships: Aziraphale/Crowley (Good Omens)

    Additional Tags: Alternate Universe - Horror, Alternate Universe - Supernatural Elements, Japanese Mythology & Folklore, Yuki Onna, Yuki Onna Aziraphale (Good Omens), Human Crowley (Good Omens), Explicit Sexual Content, Fear, Bad Ending, Discord: O Lord Heal This Server

    Link: https://archiveofourown.org/works/34727413

    View Full
  • confusedpuddle
    26.10.2021 - 4 hours ago

    The burning bookstore scene where Crowley rushes inside but can’t find Aziraphale and thinks he’s dead and was so viscerally hurt and enraged he was ready to take on both heaven and hell at the same time and now I’m crying again

    View Full
  • jess-lirio
    26.10.2021 - 5 hours ago

    Capítulo 16 - Orgulho e Pestilência

    Tradução da fanfic “Not so much falling at first”, da @rjeddystone, com permissão da autora. Capítulos originais no link abaixo:

    Lista de capítulos (em português e inglês)

    ALERTA DE GATILHO: Pronomes sendo ignorados por um personagem secundário, referências a uma epidemia irreal e a uma peste. (Nota da autora: Lamento só ter escrito agora, embora a maior parte disso esteja em meu esboço desde o início.)

    No qual os telefones tocam, a papelada é lida, Cão é útil e todo mundo realmente deveria dormir mais.

    ***

    Cão queria ajudar.

    De acordo com Aziraphale, reportando o que ouvira na Rádio Angelical, tinha cães infernais espreitando os campos de batalha. E se tinha cães infernais espreitando em qualquer lugar do mundo, não havia razão para que eles não chegassem a Londres eventualmente, e em Tadfield depois disso. Cão estava determinado a não ser pego de surpresa.

    Muitas patas facilitam o trabalho.

    Era junho. Adam costumava visitar o apartamento ou a livraria de seus padrinhos em Londres para participar da Parada do Orgulho, então Cão usou os últimos fins de semana para espalhar a palavra por meio de uma rede de fofocas em Londres conhecida como o Latido ao Luar.

    Naquela manhã, a resposta chegou na forma de cerca de uma dúzia de collies, retrievers, terriers, spaniels e até mesmo um boxer —duas dúzias ao todo. Eles apareceram no beco estreito atrás da livraria ao amanhecer.

    Havia também uma gata chamada Whiskey Tibbs. Ela veio com o boxer, Vod, e Cão achou que estava bem. De fato, Cão tinha ouvido falar que Lilith tinha uma gata do inferno e ficou feliz com a vantagem inesperada.

    [Nota da autora: No entanto, ele se recusou a convidar a gata ruiva da casa ao lado em Tadfield. Vendo como ela gostava de assistir jarros caros e vasos de rosas premiadas descobrirem a gravidade, Cão não teve dúvidas de que ela adoraria assistir o mundo queimar.]

    Vendo todos reunidos, Cão começou a aula do dia, que cobria "caça ao cão infernal". Ele conduziu seu discurso inteiramente em cachorrês, com Vod traduzindo para Tibbs conforme necessário.

    Como qualquer cachorro, explicou Cão, os cães infernais podiam correr, buscar, pular e saltar. Alguns podem até ficar nas patas traseiras. Todos eram excelentes latidores e rosnadores. Eles tinham o tipo de rosnado que deixavam suas orelhas para cima e seu pelo em pé. Um cão infernal poderia ser reconhecido por seus olhos vermelhos brilhantes (Cão demonstrou) e por seus dentes muito afiados.

    Mais importante, explicou Cão, os cães do inferno não reformados por bons mestres como Adam Young eram desagradáveis. Os piores.

    Eles eram, em termos inequívocos, "cães malvados".

    Com esta declaração, todas as caudas se dobraram miseravelmente entre as pernas e alguns spaniels choramingaram.

    Mas essa loucura, Cão continuou, zombando e latindo enquanto trotava ao longo da linha, era apenas porque seus mestres eram demônios maus. Diz a lenda que cães infernais eram as almas de cachorrinhos roubados de suas ninhadas durante a noite para serem jogados em sacos e afogados.

    Cão pausou seu discurso porque o Shar-Pei, Snoogie, tinha afundado em suas dobras como uma pilha choramingante e fofa. Cão saltou para as notas mais animadoras da lição.

    A boa notícia, ele anunciou, voltando-se para andar à frente da fila de novo, era que todos aqui sabiam como ser um bom cachorro — sim, até Whiskey Tibbs — e esse seria o primeiro passo para expulsar cães infernais do mundo e, como resultado, salvar o mundo com suas próprias mãos (ou com as patas, nesse caso) do mal.

    Cão parou quando lá de cima do telhado algo caiu com um paff arenoso. Veio seguido por uma linguagem que em teoria, seria incompreensível porque era em sânscrito, mas na prática perfeitamente compreensível porque tinha o sabor universal encontrado em todos os palavrões através dos tempos.

    Um momento depois, Crowley desceu alguns degraus da escada de incêndio, parecendo mais calmo do que a maioria dos mortais consegue quando as pontas de seus cabelos estão, mesmo momentaneamente, em chamas. Ele pôs o dedo machucado na boca e apagou algumas brasas. Murmurando alegremente para si mesmo, passou pela porta dos fundos da livraria.

    Voltou um momento depois, agora com dois livros e um diário debaixo do braço: As Maravilhosas Engenhocas e Extraordinárias Invenções, de Heath Robinson, O diário de Ciências Atmosféricas (Volume 20) e Os Mapas da Velha Londres, de G.E Mitton. (A Edição Facsímile, já que Aziraphale não deixava o original sair do armário antigo).

    Crowley deu aos cães e à Tibbs um aceno educado de aprovação, então subiu as escadas novamente e desapareceu no telhado.

     *****

    Brrrriiiiiinnnnnggg...

    O Inferno não precisou de nenhum esforço para incluir em seus tormentos um celular tocando às 6 e 45 da manhã.

    Brrrriiiiiinnnnnggg...

    Aqueles que já passaram por esse tipo de coisa podem ter opiniões fortes a respeito.

    Brrrriiiiiinnnnnggg...

    Uma grande mão se desvencilhou de um edredom de plumas, tateou a mesinha de cabeceira e derrubou o despertador. Depois disso, ele encontrou o telefone—

    Brrrrii—

    —que atingiu o tapete macio em seguida, com um pequeno baque.

    Gabriel gemeu e tentou novamente, deslizando para fora da cama para pegar o telefone do chão. Ele se sentou e apertou os olhos para a tela e, quando sua cabeça doeu demais para ler o ID, apertou o botão Falar.

    "Que a paz esteja com você."

    "Gabriel?"

    "Sandalphon?"

    "Onde você estava?"

    Gabriel olhou para o relógio revirado e depois para a luz sob as cortinas do outro lado da sala. Em seguida, percebeu que vestia um roupão de hotel com iniciais em relevo, e seu terno estava pendurado em um cabideiro de cerejeira nas proximidades. A gravata estava faltando. Ele tentou se lembrar do motivo e não conseguiu, mas percebeu que cheirava um pouco a sabonete, então pelo menos havia isso.

    "Onde eu estava?" ele repetiu a pergunta. Chupou uma aspereza em sua boca. “Temo que terá que ser mais específico.”

    "Você não estava na reunião ao amanhecer—"

    "Quando?"

    “Ao amanhecer. Você está bem?"

    Gabriel deu um tapinha em alguns pontos cruciais de si mesmo para ter certeza. Ele parecia estar inteiro. Mas onde estava sua gravata?

    "Gabriel?"

    "Desculpe, o reconhecimento atrasou."

    "Onde você está agora?"

    “Eu estou ... na Terra. Em algum lugar ”— Gabriel verificou o bloco de notas do hotel estacionário —“ Inglês. ”

    "Quando estará de volta?"

    "Hum." Ele olhou para o relógio revirado. "Em breve."

    "Tem certeza de que está bem?"

    "Eu estou ... eu vou ficar bem", disse Gabriel. Rapidamente desligou o telefone e o deixou cair na cama. Esticando o pescoço, Viu sua gravata do outro lado da sala. Estava enrolada em uma maçaneta. Olhou para a parede oposta. Havia outra porta para o corredor, o que significava...

    Cambaleando, deixou a gravata por enquanto e bateu de leve no batente da porta. Imediatamente, ele estremeceu de novo. Por que barulhos eram tão barulhentos?

    A porta se abriu e um copo alto de algo vermelho-tomate foi empurrado em direção a seu rosto.

    "Eu não preciso de outra bebida!" ele disse, então segurou sua têmpora e gemeu.

    Dagon sorriu agradavelmente. Ela usava sua saia de couro favorita e outro pronome desde a noite anterior, porque ela podia. Ela colocou a mão no quadril e balançou o copo. “É uma cura para a ressaca”, disse ela. "A menos que você goste dessa queimação em seu crânio."

    Gabriel agarrou o copo e o virou de baixo para cima. Imediatamente, ele ofegou e seus olhos lacrimejaram. Dagon pegou o copo antes que ele o deixasse cair. Havia uma graça de especialista no movimento, como se tivesse prática regular nele.

    "Que gosto horrível", engasgou Gabriel.

    “É molho picante e ovo cru.”

    "Ugh," Gabriel limpou a boca. "Por que os mortais sempre colocam qualquer porcaria na boca?"

    "De nada." Dagon encolheu os ombros e voltou para a sala. Ela alisou uma mecha de cabelo perto do espelho. "A é sua culpa por beber até desmaiar. Cooler de vinho da próxima vez?”

    “Sem próxima vez.” Gabriel puxou a gravata e torceu-a nas mãos. "Eu nem me lembro o que" — ele sentiu seu rosto ficar frio — "Espere, nós não ...?"

    "Não."

    "Oh, graças a Deus!" Gabriel tossiu quando o grito ressoou e murmurou: "Hum, sem ofensa."

    "Nenhuma."

    "Mas eu tenho que ir. Estou atrasado."

    "Certo."

    Bzzzzzt!

    Gabriel hesitou. Ele espiou com curiosidade pela porta enquanto algo na cama do outro quarto gemia, ou melhor, zumbia.

    E Senhor das Moscas era tão pequene que elu sumia sob o edredom king-size. Agora elu rolara da beira da cama e caíram no chão. Agachade, elu meio cambaleara, meio engatinhara até o banheiro sem olhar para trás.

    As moscas titulares, que cochilavam enfileiradas no topo da cabeceira da cama, içaram voo e bailaram depois. Gabriel ouviu o assento do vaso sanitário sendo levantado, depois veio o som inconfundível de um trato digestivo em modo reverso.

    Gabriel olhou para Dagon, mas como a auxiliar não parecia preocupada com isso, ele decidiu que não era nada para se preocupar. Tentou pensar em algo para dizer.

    "Obrigado, a propósito", disse finalmente, "por não me deixarem voar." Ele se encostou na porta e tentou parecer indiferente. Em vez disso, parecia agradecido —porque ele estava.

    “O prazer foi nosso. A propósito, você tem uma voz adorável para cantar ”, disse Dagon. "Eu acho que você deixou o DJ em lágrimas."

    “Ave Maria é um clássico.”

    Ouviu-se a descarga e a porta do banheiro se abriu. “Não acredito que você não conhece um só hit do Queen”, murmurou Beelzebub. E príncipe demônio vestia uma camisola enorme e falava com uma escova de dentes na boca. Elu conseguia se apoiar no batente da porta com tamanho ar casual que Gabriel quase sentiu inveja.

    Ele engoliu o resto do gosto espesso e pungente de sua língua e enxugou os olhos. “Eu não saio muito”, disse. "E bom dia para você também, sua Baixeza."

    “Meh”, disse Beelzebub. Em dois tempos, elus desapareceram debaixo das cobertas novamente. As moscas pousara na cabeceira da cama.

    Dagon ria. Carinhosamente, Gabriel percebeu.

    Ele perguntou: "Vocês dois fazem reconhecimento com frequência?"

    "Recentemente, sim", disse Dagon.

    "Por quê?"

    Dagon largou a picareta de lado e começou a fazer uma trança espinha de peixe. “Por que não temos muito tempo.”

    "Vocês têm a eternidade."

    "Um anjo pensaria assim", Beelzebub murmurou em voz alta sob o edredom.

    Dagon explicou: “Você chega em casa tarde, e qual é a pior coisa que vai acontecer? Michael te repreender. "

    "Bem, seu chefe está a par de tudo.", disse Gabriel.

    "Ha!" bufou o montinho sob as cobertas. "Não está, não.", traduziu Dagon.

    Gabriel franziu a testa. Era cedo e sua cabeça ainda latejava, mas um pensamento importante lhe veio em mente. "Ele não sabe ...?"

    “Sobre o plano?” Por um momento, Dagon pareceu cauteloso.

    "Sobre vocês dois?"

    Dagon ficou emocionado. “A Toda-Poderosa encoraja o amor?”

    "Claro, mas o que isso tem a ver com...Oh."

    “Agora ele entendeu”, murmurou Beelzebub.

    Gabriel se mexeu desconfortavelmente na porta. Então ele disse “Oh,” novamente. "Achei que ele não se envolvesse nos casos entre vocês."

    "Por que Ela também não se mete?" perguntou Dagon.

    “Isso é intencional. Livre arbítrio e escolhas e... e— ”

    Beelzebub bateu nas cobertas com uma carranca. "E eu aqui, pensando que você tinha que estar bêbado para falar tanta merda."

    O queixo de Gabriel caiu. “Não precisa usar esse tipo de linguagem!”

    Beelzebub deu um sorriso largo.

    Gabriel admitiu: "Na verdade, nós apenas especulamos e, bem, não especulamos muito."

    “Percebi”, disse e príncipe.

    Gabriel voltou para seu quarto. Com um estalar de dedos, ele vestiu o terno no lugar do roupão. Não queria encontrar o olhar conhecedor de príncipe (que teria sido bonito, se o olhar do demônio não pudesse realmente matar), então ajustou a gravata para ganhar algum tempo. Murmurou tardiamente, "Eu acho que ele apreciaria o que todos vocês passaram por ele."

    "Isso é simpatia?" Beelzebub provocou.

    "Pelo demônio?"

    “Essa é a música que deveríamos tocar da próxima vez”, disse Dagon, evocando outra cura para a ressaca. Esta tinha um canudo encaracolado e um guarda-chuva de papel festivo.

    Gabriel se virou no momento em que Dagon se sentou na cama para entregá-lo. Beelzebub se sentou e prontamente recostou a cabeça no ombro do outro demônio.

    Foi uma visão tão simples e íntima que Gabriel se assustou de novo. Ele gesticulou um pouco desamparado. "Vocês dois... é uma surpresa."

    “Você provavelmente não entende como as criaturas menos amadas do universo ainda seriam capazes de amar”, sugeriu Beelzebub. "Também não entendo”.

    “Compreensão nunca foi meu forte, não vou negar.”

    "Bem" — e príncipe deu de ombros e tomou um gole da bebida — "fico feliz em concordar."

    Gabriel baixou o colarinho. “Fé não é compreensão.”

    "Mesmo?"

    “É uma questão de confiança.” Gabriel olhou entre os dois, tentando ignorar um estranho aperto na garganta. “O mundo é finito. Sua vontade é infinita. A matemática diz tudo. ”

    “Essa é a coisa mais inteligente que já ouvi você dizer, cérebro de pássaro”, disse Beelzebub.

    “Eu tenho meus momentos.” Gabriel deu seu melhor sorriso. “De qualquer forma, eu acredito em você. E... ” fez uma pausa ao percebeu o quão sinceras suas próximas palavras seriam. “Se serve de consolo, sinto muito.”

    "Obrigado", disse Dagon.

    Beelzebub deu-lhe um tapa brincalhão no ombro. “Não o incentive. Ele pode começar a gostar de nós. ”

    Gabriel pigarreou. As ondas quentes de amor vindo dos dois eram impossíveis, mas inegáveis. Isso o fez se sentir um pouco melhor sobre tudo. Bem, nem tudo. Mas sobre o momento, certamente. Foi um bom momento.

    Ele disse: "Bem, eu tenho um raio para pegar. Pelo lado bom, se tudo der certo ... ”

    "E se isso acontecer?" perguntou Dagon.

    Gabriel percebeu que não tinha nada de bom a dizer, o que para um mensageiro era bastante constrangedor. "Eu acho que vocês ainda teriam que lidar com... ele."

    "Sim."

    Beelzebub girou o guarda-chuva. "Não deixe o Michael esperando, bochechas de querubim."

    "Certo." Gabriel tirou o telefone da cama e o enfiou no bolso da camisa. "Lembre-me, o que descobrimos durante o reconhecimento na noite passada?"

    “O Queen’s Head tem o melhor fish 'n' chips”, disse Dagon.

    Beelzebub terminou sua bebida com um sonoro gole.

    "Bom o bastante." Gabriel acenou com a cabeça, e e príncipe mostrou a língua. "Vocês dois, hum ..., se cuidem."

    “Precisamos fazer isso”, disse Beelzebub.

    "Então, mesma hora na semana que vem?" perguntou Dagon.

    Gabriel quase os lembrou de que havia dito não, mas mudou de ideia. "Certo. Eu pago. ”

    "Esse é o espírito." Dagon acenou enquanto Gabriel fechava a porta.

    O sorriso de Gabriel se desfez.

    Ele baixou a testa no batente da porta e gemeu. Por que as coisas estavam ficando tão complicadas? Uma vez que a Tocha entrou em posse do Céu, ele não estava apenas fazendo coisas que normalmente não faria. Ele estava tendo pensamentos que normalmente não teria.

    O leve cheiro de fumaça atingiu suas narinas. Olhando para cima, Gabriel percebeu que as pontas dos dedos haviam deixado linhas douradas na parede. Recuou a mão depressa.

    Ele nem tinha visitado a Tocha naquela manhã.

    Ou na manhã anterior.

    Assim que teve certeza de que elas haviam sumido, Gabriel ajustou a gravata reflexivamente e acenou com a mão para abrir a janela. Ele acenou novamente para mandar a conta do quarto nos créditos do edifício da H&H (Holdings), Ltd., e no momento seguinte disparou em direção ao Céu.

    Para casa.

      ***

    Dagon observou pela janela enquanto o céu clareava após a partida de Gabriel.

    “Idiota estúpido”, murmurou Beelzebub, miseravelmente. Elu pôs de lado o copo e se deitou nos travesseiros.

    "Acha que devemos contar a ele?" perguntou Dagon.

    "Ainda não." E príncipe demônio fechou os olhos e se contorceu, irritade com seu estômago ainda revirado.  “Precisamos saber se vale a pena o risco.”

    "E se podemos confiar nele?"

    "Isso também." Beelzebub gemeu.

    "Mas o diabo terá nossas cabeças se Michael não confiar em nós."

    “Em lanças”, concordou Beelzebub. “Se tivermos que começar a confiar nos anjos, o mundo realmente terá chegado ao fim.”

     ***

    O prato era chamado de "bife de Hamburgo", em homenagem a uma cidade da Alemanha, mas a carne era cultivada na América do Norte. Continha carne de boi e porco e vários condimentos agradáveis, para não mencionar uma boa medida de gordura e colesterol.

    Também continha cortisol e estrogênio, e os restos de alguns antibióticos muito fortes.

    "Estou tão cansada o tempo todo."

    Duas pessoas estavam sentadas à mesa. A mulher falando sorriu fracamente. Ela acrescentou: "Com Albert em casa o tempo todo, estou muito mal. Mesmo assim, agradeço a Deus por meu Neil. Ainda estou procurando trabalho, mas ele se mantém ocupado".

    "Ele está ajudando então?" perguntou o outro.

    “Oh não, mas ele ama os estudos dele. Você sabe, ele diz que uma pessoa pode ser enganada por todos os tipos de propaganda sem estudos. "

    Durante toda a sua vida, Sarah Kirsche recebeu ordens de sorrir. Ela se sentia confortável sabendo que sorrir significava que ela era aprovada. Sentindo-se aprovada, você poderia ser gentil, e Sarah queria ser gentil.

    A outra pessoa à mesa que ouvia a maior parte do tempo, chamava-se Dra. White. Antigamente, ela se chamava Antonine Blanc. Em outra hora, Collie Lucas. Ela falava suavemente e era muito calma o tempo todo. Isso vinha com a prática.

    Ela tinha muita prática, e não a que as pessoas esperavam dos médicos.

    Sarah cortou seu bife. Ela disse: "Eles só querem nosso medo para que possam fazer o que quiserem. Não são como o meu senador. Meu Deus, isso é bom. Tem certeza de que não quer nada?"

    "Não", disse a Dra. White. "Já estou comendo."

    Sarah Kirsche tinha certeza de que a Dra. White havia se confundido ao falar aquilo. Não era gentil corrigir os erros alheios, então Sarah disse: "Oh, tudo bem. É caro aqui. Acho que foi direto pro cartão de crédito, mas vou trabalhar mais horas assim que colocar meu Albert numa creche adequada. Sei de algumas públicas que estão abertas agora, mas precisamos ver o nosso Albert em um lugar melhor.”

    "Melhor do que o quê?" A Dra. White parecia ligeiramente curiosa.

    “Bem, Neil diz que as públicas estão cheias de crianças sob a tutela do estado. Não quero o meu Albert se misturando com elas. Os pais estão sabe-se lá onde. O crime é uma doença. ”

    "Você acha?"

    Sarah cortou outro pedaço de bife e falou em torno dele.

    "Meu Neil me mostrou a página da web. O blog de um médico. Muito sensato. Meu senador prometeu declarar guerra contra o crime. Oh, eu sei que ele começou com o pé errado, mas o Pastor Aimsbury disse que ele está diferente agora. Ele me mostrou o serviço religioso no canal de TV dele, onde oraram por ele e tudo mais. É a mídia que distorce tudo. Você não pode confiar nela”.

    "Qual mídia?"

    "Toda a mídia. Está tudo articulado. Eu costumava estudar muito esse tipo de coisa na faculdade, antes de ter o Alfred."

    A Dra. White deu um gole em sua água gelada.

    "Deixe-me pegar uma bebida para você, pelo menos. Os daiquiris são deliciosos."

    “Obrigada, mas evito o álcool como a peste ", disse a Dra. White.

    "Como quiser. Eu não julgo." O garfo e a faca de Sarah rangeram quando ela cortou outro pedaço do hambúrguer rechonchudo e o empurrou no molho. " Isso é outra coisa. Olhe para todos aqui. Você acha que um restaurante estaria tão lotado se realmente houvesse algo errado? Reação exagerada, se você me perguntasse. Tudo exagero da mídia."

    Do outro lado da sala, alguém largou o garfo e correu para o banheiro.

    “Eu simplesmente não tenho tempo,” Sarah continuou. “Eu gostaria de ter tempo. Sinceramente, não sei como arrumei tempo hoje para o seu convite, mas ... ”

    Na verdade, Sarah ainda não sabia como ela havia arrumado o tempo.

    Sarah recapitulou: “Bem, de qualquer maneira, graças a Deus meu pastor é tão educado. Ele fez um ano de seminário nas Filipinas, você sabe. Você já esteve no exterior?"

    “Ah, sim”, disse a Dra. White, “muitas vezes”.

    "Meu irmão foi trabalhar no exterior. Não tenho certeza se ele vai voltar. Virou nativo. Há uma razão chamá-lo de ‘imigrante’. Mas Albert adora vê-lo nas chamadas de vídeo. Oh, eu queria saber , você tem filhos?"

    Ouviu-se um tinido na sala quando um cliente tombou um copo d'água e um par de aspirinas. Ao mesmo tempo, um garçom passou correndo por eles vindo do banheiro. Ele correu para a recepção e sussurrou algo para o maitre. A Dra. White tomou outro gole de água.

    "Eu tive um. Elu faleceu."

    "Elu? Ah, não quero falar mal de alguém que já faleceu, mas isso deve ter sido difícil para você em mais de um aspecto."

    “Foi difícil em todos os aspectos.”

    "Claro. Eu sinto muito. Como isso aconteceu, se não for muito difícil pra você falar sobre?"

    "Elu foi apunhalade em uma base aérea em Oxfordshire."

    "Terroristas, coitadinho." Sarah engasgou e esperou um momento em sinal de respeito antes de pegar mais batatas fritas. "Isso é tão bom." Ela tentou se desculpar.

    "É um risco."

    "Oh, sim. Mas deve ser difícil. Deixe-me pegar algo para você. É barato para mim, na verdade, se eu usar o cartão. Não sei como eles conseguem um preço tão barato."

    "Estou pronta."

    "Como eu disse, não tenho tempo para pesquisar essas coisas. Eu costumava pensar que os adultos eram muito ocupados, mas agora que estou mais velha, percebo que é impossível não estar, aquele outro partido arruinando a nossa economia, nos fazendo trabalhar, e eles dizem que somos privilegiados. Não me sinto nenhum pouco privilegiada. Trabalho todas as horas. Tenho muito o que fazer. "

    Não tinha muito em seu prato agora.

    "Eu gostaria de poder fazer mais, mas agora que estou mais velha, percebo o quão importante é confiarmos um no outro. Graças a Deus por meu Neil se manter ocupado. E o pastor Aimsbury. Oh, mas eu realmente deveria estar pegando meu Albert da casa da minha mãe. Para onde vai o tempo? Lamento muito saber da perda de seus filhos... filho. Quanto tempo ...? "

    "Três anos atrás. Tínhamos perdido o contato."

    Sarah enxugou as mãos em um guardanapo e, inconscientemente, usou o mesmo guardanapo na testa suada.

    "Isso é uma pena. Muitos jovens são desse jeito hoje em dia. Sou muito cuidadosa com quem sigo — nas redes sociais, quero dizer. Não posso deixar alguém colocando pensamentos errados na cabeça dele. Pode apostar que não deixo meu Albert assistir à TV atualmente. Ele vai viver em um mundo sem medo. "

    "Eu não contaria com isso."

    "Oh, coitadinha. Você deveria se juntar a mim na igreja algum dia. Faria você se sentir melhor, estar em contato com pessoas tão generosas."

    “Eu acredito que é melhor dar do que receber”, disse o Dr. White.

    "Oh, eu também. Esse é um dos meus versículos bíblicos favoritos."

    A Dra. White terminou sua água e, satisfeita, apertou a mão de Sarah e agradeceu-lhe por transmitir tais pensamentos úteis.

    “Neil tem um blog inteiro sobre o que mencionei. Ele se mantém ocupado.”

    “Talvez ele pudesse ser pago para trabalhar como escritor.”

    "Oh, isso não seria bom?" Sarah sorriu com todas as suas forças. “O pastor Aimsbury diz que é errado reclamar do cônjuge, e ele está certo, é claro, mas isso seria muito... legal. Sua próxima campanha era quando mesmo? "

    "Já começou."

    "Bem, você sabe, se é uma fã da Bíblia, você tem o meu apoio."

    "Diga a seus amigos."

    "Temos um brunch contra o protesto deste domingo. Você deveria vir, apertar algumas mãos."

    "Aperte algumas por mim."

    "Claro. Realmente me deixa à vontade conhecer uma representante política que ouve pessoas comuns como eu. Obrigada pelo convite."

    "Obrigada."

    Um par de paramédicos entrou pela porta da frente. O maitre apontou para o banheiro e eles falaram em voz baixa. O cliente da mesa mais distante deixou cair seu copo de água meio vazio. Ele desabou no chão, segurando o estômago.

    Sarah estava preocupada. “Que bom que não peguei o que ele tinha”, disse ela.

    A Dra. White não fez comentários.

    Em oito dias, Sarah Kirsche seria internada no hospital com sintomas de gripe, e seu pastor agradeceu a Deus que por acaso os médicos notaram um caroço logo abaixo de seu seio esquerdo durante o exame. Seria tratável, supondo que seus hormônios respondessem bem ao medicamento. E presumindo que ela sobrevivesse ao ebola.

    Sarah se sentiu mais tranquila, embora não tenha funcionado. Ela não viu a Dr. White novamente (Ela compareceu ao brunch em silêncio enquanto outros apertavam mãos). Por alguma razão, a mulher de olhos pálidos costumava vir a sua mente no hospital. Sarah interpretou isso como significando que deveria orar por ela.

    "Peça e receberá", ela citou seu versículo favorito quando sua família veio visitá-la.

    Ela morreu dormindo no dia seguinte. Ela foi lembrada com carinho por sua igreja como uma pessoa positiva, até o fim — uma verdadeira soldado, andando pelo hospital, oferecendo-se para impor as mãos sobre os outros pacientes em oração, mesmo aqueles cujas políticas ela tinha que educá-los. Ela deixou filho e, brevemente, a mãe e o marido.

    Albert ficou sob custódia do estado.

     ***

    Do lado de fora do restaurante, uma ambulância estacionara ao lado de uma motocicleta muito original. O quadro dela tinha sido pintada da cor de osso amarelado. Pelo menos, presumia-se que era tinta. No geral, o veículo parecia — o que os humanos mais jovens diziam hoje em dia? Oh, sim: envenenado.

    Parado próximo a um poste, o arcanjo Michael se olhava no espelho compacto. O número total de almas na área havia caído em uma e havia uma quantidade maior de orações do que o normal de repente, incluindo a de um ateu declarado. Michael enviou um milagre em sua direção, mesmo que isso não importasse em alguns meses, pelos velhos tempos.

    “Olá, Michael”, disse Pestilência.

    Apenas Michael. Nunca Príncipe Michael. Nem Lorde Michael. Pestilência falava com Azazel da mesma maneira, mas era diferente, não era? Azazel era um velho amigo.

    Michael engoliu em seco com uma garganta repentinamente áspera enquanto guardava o pó compacto e olhava para a voz. A chamada Dra. White segurou a porta para que dois paramédicos e uma maca saíssem. Era o segundo naquela manhã.

    Os dois observaram enquanto a ambulância se afastava, as sirenes tocando.

    Os anjos e os entusiastas da Bíblia sabem que a peste é um castigo. Só os anjos sabem pelo que ela seria uma punição. Com a Revolução Industrial, a Pestilência realmente se destacou. Agora, bastava uma partícula viral corajosa esperando para desenvolver um novo par de genes — e logo os matadouros e enfermarias de hospital começavam a parecer terrivelmente iguais.

    Michael mudou a expressão para um sorriso. "Pestilência", disse ele. "O que te traz aqui?"

    “O que me levaria a algum lugar?”

    "Quero dizer", disse Michael, "pensei que te encontraria ainda aposentada."

    "Eu estou. Está aqui para se atualizar sobre os bons momentos? ”

    “Estou aqui para perguntar se você está disposta a sair da aposentadoria.”

    Pestilência virou a cabeça de lado. "Por que eu faria isso?"

    “O mundo vai acabar”, disse Michael. "Novamente."

    “Não recebi nenhuma mensagem.”

    "Bem, eu sou um mensageiro."

    “Achei que vocês terceirizassem esse tipo de coisa hoje em dia.” Pestilência segurou a porta para um casal entrar no restaurante. Ela sorriu, primeiro para eles, e depois de volta para Michael, que viu sua mão sair de cima da maçaneta e estremeceu um pouco.

    “Eu já tenho planos,” disse Pestilência atualmente.

    “Se o mundo acabar, eles importam?”

    "Acha que devemos trabalhar juntos?"

    "Eu sei que já faz algum tempo—"

    "Muito tempo desde Jerusalém, sim." Pestilência não disse o “J” de “Jerusalém” de uma forma moderna, porque realmente já fazia um muito tempo. "Bons tempos."

    “Eu discordo”

    "E onde está a sua sombra?"

    "Eu não sei o que você quer dizer."

    "Aquele seu amigo demônio?"

    Percebendo a quem ela se referia, a garganta inflamada de Michael apertou e sua testa começou a suar. "Eu ... acho que você está enganado", disse ele. “Ele não era um amigo. E, além disso, ele está ... morto. "

    "Sinto muito por ouvir isso."

    Michael não gostou de como isso estava ficando pessoal, pelo menos para ele. Ele perguntou: "Você não quer vingança?"

    "Está me tentando?" Pestilence se inclinou para frente, apenas o suficiente para que Michael se recostasse. "Você deve realmente sentir falta dele."

    O mais sutilmente que pôde, Michael passou a mão pela testa para verificar se tinha febre. Então ele disse: "Só quero dizer que é culpa dos humanos que Poluição morreu. Pareceu apenas certo oferecer a você uma chance de justiça para elu. ”

    “O pior que posso fazer aos humanos já é o melhor que posso fazer”, disse Pestilência. "Estou em paz, Michael." Os olhos brancos como giz se estreitaram. "E você?"

    "Eu estarei quando tudo isso acabar."

    “Coitadinho”, disse Pestilências. As palavras soaram menos gentis dela do que de Sarah Kirsche. Pestilência estalou a língua, então considerou a cidade movimentada ao redor deles. “Andei pelos mercados e matadouros de todas as terras deste globo, Michael. E eu segui o ponto de mais de uma espada de arcanjo quando o julgamento era devido. Mas temo que não me juntarei a você desta vez. "

    "Por que não?"

    “Pelo mesmo motivo pelo qual me aposentei”, disse Pestilência. “No fundo, eu não sou sobre finais. Sou sobre mudanças. Para bem ou para mal.”

    "Principalmente para o mal, acredito."

    "Bem, sim", disse Pestilence. “Mas adeus, velho amigo. Descanse um pouco. Você parece exausto. E eu sei onde isso leva. ”

    Ela deu um tapinha no ombro de Michael e ele sentiu uma súbita onda de náusea, seguida por uma forte dor de cabeça. A próxima coisa que ouviu foi a motocicleta tossindo como um pulmão terminal enquanto se afastava. Michael percebeu que estava na calçada.

    Agarrando-se ao poste, se levantou e tentou se livrar do mal-estar. Ele pegou o telefone. Tocou antes que ele pudesse discar. A tela mostrou um número não listado.

    No que dizia respeito às listas do Céu, isso significava apenas uma coisa.

    "Olá, Hastur."

    "Não parece muito bem, sua alteza. Já se decidiu?”

    Michael ignorou o golpe . “Você tem as últimas coordenadas de Wormwood em arquivo?”

    "Pestilência te disse não?"

    "Ela disse muitas coisas."

    “Vou enviar por fax. Ainda está de pé para esta semana? Parece que você precisa de ânimo. ”

    "Eu provavelmente deveria adiar."

    “Sem problemas. Vou guardar algo quente para você. O que gostaria? Criminoso de guerra? Especialista em execução hipotecária de orfanatos? ”

    "Vou deixar que me surpreenda. A propósito, você roubou o telefone que está usando? ”

    "Quer que eu aterrorize o mortal duas vezes, devolvendo-o?"

    Michael se certificou de que seu gemido fosse alto o suficiente para irritar o outro lado da linha. “Entrarei em contato.”

    "Não faça nada que eu faria."

    Michael desligou sem dignificar essa piada com uma resposta.

    Ligur também gostava de trocadilhos. Um pouco demais. Ligur tinha muito a dizer sobre Hastur também, Michael lembrou. Nada de bom, mas com demônios esse era o maior elogio, realmente. Ele crescia comvocê, Ligur gostava de dizer com carinho, como uma verruga.

    Michael suspirou, apertou os olhos contra a dor de cabeça e olhou para o céu. Parecia ... errado. Balançou a cabeça. Estava claramente queimando em febre. Precisava ir para casa e ver Raphael. Já chega de política por um dia. Uma repreensão do cirurgião-chefe ou mesmo de Ariel seria quase reconfortante.

    Velhos amigos, de fato.

     ***

    A Biblioteca do Céu é organizada de acordo com o sistema decimal infinito. O conhecimento do Bem e do Mal pode estar armazenado numa maçã, mas todas as outras informações são mantidas na Biblioteca. Como resultado, é fácil se perder.

    Não que Sefriel tenha dito isso, mas Uriel imaginava que era por isso que ele respeitosamente seguia atrás dela e de Sandalphon durante todo o passeio.

    “Não costumamos receber inspeções”, comentou o bibliotecário-chefe.

    “É algo que poderíamos fazer com mais regularidade, se você quiser”, disse Uriel.

    “Os tempos são o que são”, acrescentou Sandalphon.

    "Oh, tenho certeza de que tudo pode acontecer", concordou Sefriel.

    [Nota da autora: Sefriel acreditava firmemente nisso. A Biblioteca do Céu podia funcionar daquele jeito porque o infinito não é uma questão de tamanho, mas de detalhes. Um decimal pode avançar até onde quiser. Com tantas opções, tudo pode acontecer. Se alguém perguntasse a Sefriel: "Quantos anjos podem dançar ou passar o tempo na cabeça de um alfinete?" sua resposta sucinta teria sido, "todos eles."]

    Uriel deixou seu dedo deslizar ao longo de uma prateleira enquanto ela caminhava. Ela encontrou um espaço vazio na prateleira de volumes começados por “D” e trocou um olhar com Sandalphon. Nenhum deles comentou sobre isso.

    “Com que frequência você diria que consultam os livros daqui?” Sandalphon perguntou em vez disso.

    “Oh, a maioria dos visitantes gosta de se demorar no final da semana e ler em silêncio”, disse Sefriel. “Os pesquisadores vêm aqui com mais frequência: ferreiros e arquitetos, principalmente, e os curandeiros.”

    "Faz sentido", disse Uriel calmamente. Eles dobraram uma esquina em uma área de estudo onde mesas de oliveira ficavam uma após a outra. Cada escrivaninha tinha um mata-borrão, um conjunto de tinta e penas, alguns lápis e um pequeno bloco de notas. Algumas luzes flutuavam sem lanternas ao longo da fileira, fornecendo uma luz amarela suave.

    Caminhando ao longo das mesas de cada lado, Uriel e Sandalphon verificaram as gavetas, uma após a outra. Na gaveta de cima, sempre havia grandes folhas de papel para escrever, pequenos pacotes de etiquetas, cera para lacrar envelopes e clipes de ouro com um desenho de asa de bom gosto. A segunda gaveta continha ferramentas como um compasso e uma régua (ajustável a qualquer padrão de medida), uma lupa, uma tesoura e até um grampeador.

    “Bem equipadas”, comentou Sandalphon.

    “Sim, agiliza nosso trabalho se tudo for padronizado”, explicou Sefriel, ainda seguindo.

    Uriel parou na segunda gaveta de uma mesa e disse: "Sefriel, está faltando um grampeador aqui."

    "Oh? Bem, às vezes as coisas se perdem apesar de nossos esforços. ”

    "Claro." Uriel abriu a última gaveta que continha algumas bugigangas descartadas, incluindo uma placa de identificação antiga, que ela anotou. Ela pensou em parar de verificar o resto, mas algo incomodava no fundo de sua mente. Caminhou até o final da fileira e algo sob a luz chamou sua atenção. Ela pegou o bloco de notas sobre o mata-borrão e o iluminou.

    “Para que são usados?” perguntou.

    "Para fazer anotações", respondeu Sefriel. Como parecia uma resposta muito simples, ele elaborou: "Para que volumes maiores possam permanecer na biblioteca."

    "Oh, entendo", disse Uriel. “Você quer dizer volumes maiores como atlas ou enciclopédias?”

    "Exatamente, sua glória."

    "Não é papel de carta?"

    "Cartas, sua glória?"

    “Imagino que seja estranho assinar as próprias anotações.”

    "Bem, as folhas certamente podem ser usadas para qualquer coisa", disse Sefriel de maneira complacente, parecendo confuso. Uriel virou o bloco de notas em direção à luz novamente com os olhos estreitos e torceu um pouco as mãos. "Acontece algum problema?"

    Uriel perguntou: "Posso pegar uma folha pra ver uma coisa?"

    "Claro."

    "Obrigada." Uriel sorriu e removeu com cuidado a primeira página em branco do caderno que, pelo que Sefriel sabia, estava ociosa havia meses.

    Ela não escreveu na folha. Na verdade, nem mesmo a dobrou, apenas colocou-a cuidadosamente no bolso interno da jaqueta. Após o passeio, ela ficou no corredor com Sandalphon e passou o grafite do lápis [Nota da autora: tecnicamente, ouro] pela página, revelando as marcas em sua superfície.

    Era uma abreviação, leve o suficiente para ser quase ilegível. Mas os números das páginas foram feitos com traços fortes. E a assinatura era inconfundível.

    Ambos a estudaram.

    "Mas o que isso significa?" perguntou Sandalphon.

    “Isso significa que Michael terá que falar com Raphael novamente,” disse Uriel.

    "E depois disso?" perguntou Sandalphon. “Acha que Azazel terá um novo colega de quarto?”

    "Não", disse Uriel gravemente. “Não acho que haja qualquer desculpa para isso.”

      ***

    Gabriel andava sozinho pelo Portão Leste, olhando para as mãos e deixando uma pequena nevasca se formar em torno dele como um cobertor de segurança.

    “Eu não estou caindo,” ele lembrou a si mesmo. “Sei exatamente quem eu sou e o que eu sou. Sou um anjo. Sou o arcanjo Gabriel e não estou caindo. "

    Dizer isso o fez se sentir melhor. Um pouco melhor.

    “Houve apenas uma Queda. Nunca houve outro. Até mesmo Azazel está bem. Tecnicamente. Apesar das cabras. E eu ainda tenho fé. E verdade. E amor. Demônios não podem ... ”Ele fez uma careta. “Acontece que eles podem,” ele murmurou. “Mas eu ainda tenho fé!”

    O grito ecoou entre as estrelas.

    Gabriel ficou andando de um lado para o outro durante toda a manhã, porque não se sentia bem o suficiente para encontrar Michael ainda. Nem tinha certeza do que diria, muito menos de onde Michael estava. As chances eram de que ele não estava ali. Provavelmente, ele estava ocupado. Ele estava sempre ocupado. Ele nunca…

    “Pare,” ele disse, e parou em pé no meio do sulco desgatado entre os ladrilhos. "Pare de se sentir tão ..."

    O quê? O silêncio parecia oferecer palavras, palavras de que ele não gostava. Amargo? Ambicioso? Nervoso?

    Com ciumes?

    “Eu não tenho ciúme de demônios, especialmente demônios da Preguiça e, eu não sei, Luxúria? Demônios são maus. E eu não sou."

    Ele sentiu uma pontada estranha em sua consciência, novamente fora do silêncio.

    "Também não sou orgulhoso."

    Ninguém respondeu, mas o silêncio o lembrou de algo, embora não fizesse sentido. Isso o lembrou de olhos muito pacientes, muito gentis. Olhos com um olhar que sabia tudo sobre ele antes mesmo dele, que sabia que ele não era bom com suas próprias palavras e sempre o ajudava a escolhê-las.

    “Não sou orgulhoso”, repetiu ele. “E não estou com raiva, e não sou ganancioso. Esses são todos ... pecados. ”

    Ele tapou a boca com a mão e engoliu em seco. A palavra soou pior em sua boca do que o molho apimentado.

    Nenhuma voz acusadora saiu do éter. Nenhuma palavra de julgamento alegou que ele havia esquecido seu Criador. Gabriel baixou a mão e respirou fundo algumas vezes para se acalmar. Estava tudo bem então?

    "Mas estou com medo", ele sussurrou. "Todo o resto é apenas ... tentação, certo?"

    Gabriel parou de andar. Sua cabeça latejava um pouco. Ele percebeu que estava gastando mais do que os ladrilhos e sentou-se pesadamente nos degraus do portão. Esses eram portões particularmente perolados, realçados com pedras preciosas. Ele sentara ali com Michael assistindo Uriel levantar o sol pela primeira vez. Era uma boa memória. Se agarrou a ela. Isso o lembrou de outra coisa e ele se agarrou a isso também.

    "Eu ainda tenho meu nome."

    Dizer isso em voz alta o fazia e sentir melhor. Muito melhor.

    Ele ainda tinha seu nome.

    Todos sabiam que os Caídos haviam desistido do deles.

     ***

    Ariel relatou que Raphael estava fora pesquisando, então Michael viu Tifriel na farmácia perto da recepção. Um acorde de combate à febre e uma progressão anti-náusea depois, e ele se recuperou do encontro com Pestilência, pelo menos no lado físico das coisas. Ele partiu para o escritório de administração de assuntos militares, uma das mesas menos negligenciadas, mas ainda lotadas, de seu posto. As pastas do dia estavam consideravelmente mais empilhadas do que no dia anterior.

    Michael se sentou e tentou começar, mas se viu balançando a cabeça. Se recostou esfregando os olhos. As corporações incomodavam. Era fácil ver como a heresia Gnóstica havia se tornado obcecada por um mundo de fantasia sem eles.

    Naqueles dias, olhar a assinatura na carta de apresentação da pasta mais recente era praticamente uma formalidade, mas Michael o fez mesmo assim porque gostava do ritmo do trabalho. Ele sempre gostara. Pelo menos ele não poderia culpar os guardiões por entregarem sua papelada a tempo — embora não custasse nada dizer a Jaelle para reduzir um pouco as tarefas. Ele sorriu, então franziu a testa, lembrando-se de quando seu irmão lhe dissera a mesma coisa.

    "Phanuel está colocando você num espremedor."

    "Num ... o quê?"

    ***

    “É uma coisa pra lavar roupas.”

    "Isso é ... bom então?"

    Lúcifer revirou os olhos, mas riu. Ele ficou na porta do escritório do Registrador, olhando para o teto, onde os relatórios dos Guardiões escorriam impressos tão rápido quanto os Escribas acima podiam escrevê-los. Cada um empilhada em uma pequena espiral organizada numa mesa vazia abaixo. Exceto que uma mesa ainda estava ocupada.

    "Seu cabelo está uma bagunça de novo, querido irmão", disse Lúcifer.

    "Eu não me importo."

    Talvez fosse meio-dia. O consenso geral sobre o tempo (“t” minúsculo) ainda estava para ser determinado. Aparentemente, Uriel estava trabalhando em algo com Lailah e os Arquitetos Estelares para o dia seguinte. Qualquer que fosse o caso, os dias no Céu durariam o tempo que  precisassem, antes que toda a máquina fosse ligada e desligada, e todos os dias haviam relatórios a escrever. Até mesmo um arcanjo tinha um trabalho diário entre uma mensagem e outra.

    Michael passou mais uma linha de taquigrafia para escrita longa. Ele estava ciente do sorriso de Lúcifer sobre a palavra "espremedor" e corou. Devia ter respondido incorretamente para um sorriso daqueles. Ele teria que consultar o Dicionário de Termos Futuros da Biblioteca novamente. Lúcifer estava sempre à frente dele em palavras.

    O anjo primogênito nunca sorria em público. Seus sorrisos não eram particularmente graciosos e era assim que ele gostava de se comportar perto de todo mundo. Ainda assim, era algo que um “irmão” fazia (o termo era bastante novo neste ponto), e Michael não conhecia outra razão para isso.

    O príncipe perguntou: "Onde está sua espada hoje?"

    "No arsenal."

    "Por quê?"

    "Eu não preciso dela."

    Lúcifer girou sua própria espada distraidamente sob uma das mãos. Muitos dos anjos que estavam na linha de frente estavam armados naquele dia, como uma espécie de celebração da vitória, ele explicou, mas esta espada não era do arsenal. Ele pediu a Pekkiel que a tornasse especial naquela manhã.

    Ela seria chamada de cimitarra. Lúcifer sabia todas as palavras, muito mais do que Miguel sabia, mas até então, Lúcifer era o príncipe. Adquirir conhecimento era algo que ele fazia melhor do que ninguém. Outros anjos faziam coisas e criavam coisas, mas Lúcifer podia dizer a eles o que fazer e como fazer, e às vezes até por quê.

    De vez em quando, o príncipe levantava a lâmina para empurrar a pilha crescente de papel impresso de volta para a mesa de Michael. "Você precisa de uma pausa. Não vê ninguém trabalhando tão duro por aqui. ”

    "Eu não sou ninguém."

    “Você deveria pegar sua espada. Traga-o para baixo quando terminar. Estou começando algo. ”

    "Mas você tem um compromisso aqui."

    “Eu comecei algo. Não seria o mesmo sem você. "

    Michael finalmente largou sua pena auto-recarregável. Demoraria muito até que os psicólogos infantis descobrissem a dinâmica da ordem de nascimento, mas o primeiro filho do meio sabia que as expressões faciais e a lógica eram um movimento de manutenção da paz e, antes que seu primeiro dia de existência terminasse, ele aprendera a ser ilegível. Não que ele pensasse nisso como diplomacia. Isso apenas o ajudava em seu lugar no mundo.

    Michael sugeriu: "Outra serpente marinha?"

    "Não. Um jogo."

    "Um jogo. Com espadas? "

    "E lanças, se quiser."

    “Um jogo com coisas que matam serpentes marinhas.”

    “Vai ser divertido e você vai ser bom nisso.”

    "Talvez mais tarde."

    "Miiiiichael" Lúcifer passeou entre as mesas vazias. Ele se inclinou sobre Michael para bloquear a luz do lampião. "Diga sim."

    "Saia."

    "Eu não quero sair."

    "Saia ou conto à Mamãe."

    "Basta dizer sim e eu vou embora."

    Michael apertou os olhos e escreveu teimosamente por mais alguns segundos. "Phanuel pode ter mais trabalho pra mim esta tarde."

    "Você gosta de Phanuel mais do que de mim?"

    “Gostar não funciona assim.”

    “Diga que você virá. Então diga a Phanuel que você não pode fazer o que ela quiser, porque eu disse que você tinha que vir. "

    Michael apertou os olhos novamente, passou por Lúcifer e soltou com cuidado outro pedaço de papel impresso. "Está dizendo que eu tenho que ir?"

    "Estou pedindo que você venha."

    "Portanto, não são ordens", disse Michael, e pegou sua caneta. “Isso seria inventar histórias.”

    "Mas eu sou o príncipe."

    "Você está me pedindo pra ir porque é meu irmão ou porque você é o príncipe?"

    "Sim."

    "Não é o suficiente."

    "Ai."

    Michael escreveu outra linha de taquigrafia e sorriu um pouco com a nota de rodapé do texto. Aparentemente, os lírios estavam causando uma boa impressão. Uriel estava preocupada com sua estreia.

    "Tudo bem", disse Lúcifer. "Estou dizendo pra você vir, porque eu quero que você venha."

    Michael virou a página.

    "Michael?"

    "Saia ou direi à Mamãe", disse Michael novamente.

    "Você não acha que ela tem coisas melhores pra fazer?" Mas Lúcifer recuou. "Tudo bem, estou pedindo." Ele suspirou alto e girou sua espada novamente.

    "Hum."

    "Gabriel estará lá."

    Michael não era psicólogo. A impressão foi o único som na sala por um longo momento.

    "Tudo bem", disse Michael. "Mas eu tenho trabalho pela manhã."

    "Você tem trabalho todas as manhãs."

    "É importante."

    “O quê, anotando coisas que acontecem hoje, coisas que só acontecem hoje, coisas que não vão acontecer amanhã?”

    “É importante como as coisas são escritas”, disse Michael. "Para um príncipe, você realmente deveria se preocupar mais."

    “Conhece muitos príncipes?”

    "Eu te conheço bem o suficiente."

    “Eu sei pra que servem as palavras e letras, Michael. Mas ... tudo bem. Enviarei Darfriel com sua espada. Ele mostrará a você onde nos encontraremos. ”

    "Obrigado."

    "Em uma hora. Não se atrase. ”

    "Não vou."

    "E faça alguma coisa com o seu cabelo." Lúcifer estendeu o braço por cima da mesa , despenteando os longos cachos.

    Michael o empurrou para longe. "Eu te disse, não me importo."

    “Como quiser. Ele caminhou em direção à porta, mas se virou. "Oh, mas sem armadura."

    A caneta de Michael parou. "O quê?"

    “É um jogo”, disse Lúcifer. "Sem serpentes marinhas pra se preocupar."

    Michael largou a caneta novamente. "Raphael estará lá?"

    "Você está assustado?"

    "Não."

    “Você está inventando histórias?” Deu aquele sorriso novamente.

    “Não”, disse Michael. E não era tecnicamente uma mentira, mesmo que tivesse sido um momento atrás. "E um príncipe também não deveria."

    Lúcifer riu e saiu, e Michael sentiu que não importava o quão boas suas palavras fossem, elas nunca seriam o suficiente para que seu irmão fizesse mais do que ele gostaria.

    Mas talvez isso fosse algo sobre irmãos mais velhos também.

     ***

    Uma batida na porta acordou Michael antes que ele percebesse que havia adormecido. Ele se levantou na cadeira.

    Um sonho diferente. Ele ficou aliviado, apenas por um momento — quase esquecera o anjo na porta — mas em seguida se sentiu mais preocupado do que antes.

    “Lamento, excelência” disse Jaelle. “Este é um momento ruim?”

    Michael notou a pasta debaixo do braço dela. Pela aparência de sua armadura, ela tinha acabado de sair do campo. Seu capacete estava pendurado no braço. Confortado por estar de volta a um momento melhor, Michael balançou a cabeça e acenou para que ela entrasse.

    "Está tudo bem, capitã. Não é nada. ”

    Jaelle colocou cuidadosamente a pasta em cima das demais, depois considerou a pilha. Seus olhos marmorearam num tom preocupado de azul. "Gostaria de ajuda para arquivá-los, sua alteza?"

    “Talvez possamos colocar você no trabalho de secretária na sua aposentadoria,” Michael sugeriu, sorrindo um pouco mais para mostrar que era uma brincadeira. “Esse é o relatório de hoje?”

    "Sim, oh, um terremoto aconteceu como esperávamos."

    "E você está inteiro?"

    "Todos estão bem, obrigada, sua graça."

    Michael abriu a capa e notou uma página descolorida na metade do maço. "O que é isso?"

    "Este?" A voz de Jaelle ficou um pouco mais aguda, depois mudou para o que Michael pensava hoje em dia como sua voz de "praticava em frente ao espelho pelo menos cinquenta vezes". Ela disse: “Recentemente, percebi que faltava um número de páginas em nossos formulários básicos de relatório, por isso tenho obtido cópias de backup dos arquivos. Desculpe se não é ortodoxo. ”

    “Não se desculpe se não há nada de errado.”

    "Desculpa." Jaelle estremeceu. "Quero dizer…"

    "Não. Está bem. Só quero dizer não se desculpe por fazer a coisa certa, especialmente comigo. ”

    Por algum motivo, isso deixou a capitã ainda mais nervosa.

    O que vou fazer com ela? Era uma pergunta estranha de se fazer sobre alguém que não era mais do que outra estrela no céu algumas semanas antes, mas Jaelle estava em uma história agora, e era familiar, familiar demais. Michael queria empurrá-la de volta para o passado, mas o passado era onde estava a dor, então aqui estava ele, tentando terminar a história de uma maneira diferente, porque as coisas eram diferentes agora. Elas tinham que ser.

    Poderia acabar bem.

    Escondendo todos esses pensamentos por trás de um sorriso, Michael folheou a página e leu o cabeçalho do encarte, depois o leu novamente com novo interesse.

    "Algo está errado?" perguntou Jaelle.

    “Você disse que tem mais destes? "

    "Sim, sua graça."

    "Você pode trazê-los para o deque de observação em uma hora ou mais?"

    “Para o ... Sim, sua graça, se é vosso desejo. Mas por que—?"

    "Michael?" Gabriel estava na porta. Ele parecia sem fôlego. “Você tem um segundo? Talvez um minuto? "

    Seus olhos violetas estavam sombreados de prata. Michael devolveu a pasta muito lentamente a Jaelle. "Com licença, capitã."

    Michael saiu para o corredor e empurrou Gabriel para fora de vista. "O que há de errado?" ele perguntou. “O que aconteceu com o reconhecimento?”

    Gabriel colocou as mãos nos ombros de Michael e forçou um sorriso desesperado. Ele manteve a voz baixa. "Bem, se lembra de como não iríamos incomodar Raphael com nada disso?"

    "Sim…"

    "Eu acho que talvez devêssemos."

    "Ok, mas por que —Ai! "

    Michael se encolheu para trás, e Gabriel apertou as mãos contra o peito, os olhos tomados por uma cor que escureceu os dele, e a prata marmorizou como uma coisa se contorcendo.

    "O que foi isso?"

    "Você está bem?" Gabriel perguntou ao mesmo tempo.

    "Estou bem. Eu ... ”Michael aprumou suas roupas e olhou para a ponta dos dedos. Um pouco de vermelho cintilou em nada. "Sem danos causados. Mas ... ”Ele tirou as mãos de Gabriel de seu peito e as envolveu nas suas para observar.

    "Desculpa." Gabriel começou a recuar, mas Michael o puxou de volta. "Michael, acho que devo ir para a ala dos curandeiros."

    "Isso causaria um rebuliço." Michael envolveu as mãos de Gabriel nas suas e se concentrou. Houve um leve estalo de geada e partículas de gelo brilharam por um momento no ar. O fogo vermelho encolheu como uma anêmona assustada. Michael não o soltou até que fugiu completamente. "Melhor?" ele sussurrou.

    "Como você…?"

    “Não pediria aos demônios uma ferramenta que não tivesse pesquisado”, disse Michael. Ele pensou, sem querer, na espada giratória de seu irmão. Espanou cristais de gelo de suas mãos. “Se a tocha não tivesse alguns efeitos colaterais, não seria tão eficaz em humanos. Devemos verificar com Uriel e Sandalphon, apenas por precaução. ”

    "Algo está errado?"

    "Não."

    "Há algo de errado comigo?"

    “Você está invetando histórias?”

    "Não", disse Michael novamente, com firmeza. “Venha para o deck de observação. Todos nós precisamos discutir isso. Jaelle? ”

    A capitã inclinou a cabeça para fora da porta. Claro que não muito rápido, já que era não educado bisbilhotar. "Sim, sua Majestade?"

    “Se importaria de encontrar Raphael no seu caminho? Aconteceu uma coisa. ”

     ***

    As ruas ainda estavam movimentadas no Soho depois de um dia inteiro da Parada do Orgulho e a livraria não foi exceção. Cão dormia perto do fogo depois de um longo dia de trabalho. Adam e os Eles compartilhavam fotos de sua reencenação da obra de Eugène Delacroix, Liberty Leading the People, numa versão family-friendly com direito à bandeira de arco-íris. Anathema e Newt, que tinham vindo para ajudar com as caronas para casa, sentaram-se em cadeiras na loja principal, assistindo os clientes de última hora entrarem e saírem. Eles também estavam certificando-se de que os livros mais cobiçados do anjo permanecessem em suas prateleiras.

    Este ano, os moradores ficaram maravilhados com o fato de o proprietário de uma livraria tão estranha e empoeirada ter conseguido asas de arco-íris tão convincentes. Foi ideia de Pepper: um pouco de Ki-suco e condicionador de cabelo. Eles passaram a manhã com eles.

    Do telhado, Crowley ouvia alguns transeuntes começarem a se referir ao “Sr. Fell ”como o anjo do Soho e, bem, ele pensou, realmente já era hora.

    Com um suspiro, Crowley caiu para trás no pavimento do telhado e espreguiçou-se. Ele preferia muito mais estar lá embaixo. Deixou Engenhocas e Invenções Extraordinárias aberto em seu peito e olhou para o céu noturno. A cor começou a desvanecer quando o sol se pôs a oeste. Seus olhos eram aguçados o suficiente para ver a primeira das estrelas muito brilhantes para as luzes da cidade se apagarem.

    Todos eles tinham sido chamados de estrelas naquela época. “Estrelas fixas” à distância. “Estrelas errantes” circundando o sol. Ou o globo, como as pessoas imaginavam naquela época. Crowley gostava de pensar em todos eles como "velhas estrelas". Ele liderou a reunião sobre como os turnos para o azul e o vermelho funcionariam. O planejamento de longo prazo estava na ordem do dia com a velocidade da luz. Você poderia olhar para trás no tempo, olhando para as estrelas.

    Ainda doía pensar tão longe. No entanto, não doeu ver um trabalho bem feito.

    "Certo." Ele se sentou e fechou o livro. Ele olhou através do telhado para a Pedra Filosofal. "Você é teimosa, mas eu já sabia disso." Crowley riscou uma linha para quebrar o sigilo brilhante e rapidamente a embalou. No ar sobre a Pedra, os esquemas de luz flutuantes lentamente se desfizeram como teias de aranha varridas pelo vento.

    O maior problema de salvar o mundo era que o mundo eram as pessoas. Pertencia a eles no sentido mais antigo da palavra. Já fazia muito tempo com eles. Os anjos juraram subserviência a eles. Os demônios perderam seu status celestial para eles. Os humanos eram o topo da pilha. Você poderia tentar prendê-los, certamente, mas coloque uma placa dizendo: "Perigo: Enxofre caindo", e a tinta não teria tempo de secar antes que os primeiros estivessem saltando o muro. Era a macieira de novo.

    Crowley suspirou alto. "Cancele isso", disse ele em voz alta, como às vezes fazia sozinho em seu apartamento. “Eles têm que fazer o que você diz. Você não os abandonou. Se você queria que ele ganhasse, por que nos expulsou? Por que você me expulsou? "

    Não houve resposta, mas ele não esperava uma. Não mais. Tudo bem. Estava tudo bem. Deixe-a fazer o que quiser.

    Rolando de joelhos, Crowley juntou os livros e diário, junto com a segunda adição do que ele começou a pensar como o livro de Raphael. Ele olhou para o oeste, para a estrela da tarde, e então passou pelo que havia se tornado um ritual diário: virar as páginas até a carta de seu irmão aparecer e, em seguida, olhar para ela indecisamente.

    "Não há mais nada a dizer, certo?" ele murmurou. “O mundo inteiro está chegando ao fim, o que resta a dizer?”

    Tinha sido um longo dia. De alguma forma, Crowley conseguiu vencer a batalha consigo mesmo desta vez. Ele puxou a folha e a abriu. Ele quase não a olhou. Sentiu seus olhos recuarem, mesmo com todo o encorajamento desesperado do resto dele.

    Mas, como com medo do Inferno, algumas coisas podem ficar tão pesadas que não vale a pena carregá-las.

    Crowley leu a anotação de uma vez. Então, contra todas as expectativas anteriores, ele a leu novamente.

    Ele pulou o muro e desceu a escada de incêndio no segundo seguinte, gritando por Anathema mais alto do que qualquer Inquisição na história do mundo.

    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    Notas da autora: Ilustração de Gustave Doré, "The Bronze Serpent (Num. 21: 4-9)," Doré's English Bible (1866), via Wikicommons. Carregado em 10 de julho de 2010 e acessado em 24 de agosto de 2020. [Edit: Adicionando esta nota porque acabei de pensar nisso: Sim, Lu faz uma aparição no flashback. Sim, isso será importante mais tarde.]

    Desculpem pelo atraso. Eu tinha o 5º Cavaleiro no meu esboço desde o início, mas os tempos sendo estes, estava lutando para encaixá-lo. 

    View Full
  • ficfeed4332
    25.10.2021 - 5 hours ago
    #IFTTT #AO3 works tagged 'Aziraphale/Crowley (Good Omens)'
    View Full
  • paintedvanilla
    25.10.2021 - 5 hours ago

    Duck feeding scene in good omens season 2 I’m on my hands and knees sobbing and crying

    #good omens #I’m so fucking excited help me #op
    View Full