#liberdade Tumblr posts

  • View Full
  • luminositadelsol
    19.09.2021 - 15 hours ago

    tem uma dor que classifico como dor de cortar cabelo. é aquela dor que quem vê aconselha: calma, cabelo cresce. na hora a gente não acredita, não parece ter solução. você precisa sentir a dor, você precisa se encarar no espelho até começar se acolher. é preciso olhar com gentileza e, depois de algumas semanas, ao notar a diferença do comprimento, você vai falar: poxa, cabelo cresce mesmo. não importa quantas pessoas tenham dito ou quantos elogios chegaram até você, se não sai de dentro, nada vai te confortar. quando passar você pode até pensar: que tola fui. mas isso, ah, só quando passar.

    . juliana cardinalli

    View Full
  • feesuasresenhas
    19.09.2021 - 16 hours ago

    Centenário Paulo Freire. #centenáriopaulofreire #educação #pedagogia #liberdade https://www.instagram.com/p/CUAy5XaLT24/?utm_medium=tumblr

    View Full
  • View Full
  • honeyatlast
    19.09.2021 - 23 hours ago

    Eurodeputada Isabel Santos acusa China de usar pandemia para suprimir liberdades em Macau

    Num relatório aprovado quinta-feira em Estrasburgo, o Parlamento Europeu pede à China que respeite o estatuto de Macau e deixe de interferir nas eleições e funcionamento dos media. Visto Primeiro no site: https://ift.tt/3kkrzVe

    #Eurodeputada Isabel Santos acusa China de usar pandemia para suprimir liberdades em Macau
    View Full
  • lagolagoa
    18.09.2021 - 1 day ago

    "Alma de tempo longo e distante, Se aperta pra entrar num corpo E ao ver a luz do mundo, leva um tapa pra respirar. Chora pra nascer Fecha os olhos pra morrer Pior mesmo é morrer em vida De sonhos confinados Desejos adaptados. Uma vez encarcerado é preso pra sempre Se esquece da liberdade que teve Talvez nunca a tenha tido de verdade E agora somos escravos de si, da culpa que nos colocaram pelo mundo ser o que é, ser impermanência. Em semente adormecida, nossa árvore guarda vida  à espera da água para ser nutrida. Mesmo que seja de choro,  expandir a alma ainda é louro." 05/09/2021 - no @mov.festival #poesia #vj #feminino #liberdade #videomapping https://www.instagram.com/p/CT95wADr1xp/?utm_medium=tumblr

    View Full
  • eu-andressamelo
    18.09.2021 - 1 day ago

    Olhava e via. Não sei dizer se somente eu via ou se os outros viam também é temiam dizer. Mas eu via e minha alma cochichava. Eu escrevia e as pessoas recuavam, outras se assustavam. Mas ninguém ficava sem reação como se fosse algo comum.

    @afragmentada_

    View Full
  • toriirp
    17.09.2021 - 2 days ago

    TAKUYA - ( @memeshikutorii )

    Nome completo: Takuya Matsumoto Shin

    Data de nascimento: 04/11/1986

    Local de nascimento: Tóquio, Japão

    Etnia: Nipo-coreano.

    Residência: Liberdade

    Ocupação: Sócio no Ansan Bar, Restaurante e Karaokê

    FC: MINUE - Solo

    Temas de interesse: Angst, Crack, Fluff, Romance, Shipping, Smut.

    Trigger Warning: Abandono parental, bullying, uso de drogas, overdose, morte.

    Biografia: 

    Takuya não foi muito motivo de felicidade desde a sua concepção. Dois adolescentes, quase adultos, vivendo um romance sem qualquer consequência em mente no Japão dos anos 80. Seu pai, um nipo-coreano que estava terminando o ensino médio sem nenhuma perspectiva do futuro e uma japonesa que sonhava com o estrelato, quem sabe se tornar cantora ou atriz? Mariya e Seunghyun ainda tinham um futuro pela frente, por isso, a notícia da gravidez não foi a melhor coisa que eles escutaram.

    As famílias brigaram muito com ambos. Já não viam com bons olhos o relacionamento dos dois, mas ao menos a decência de assumir o filho Seunghyun teve, colocando seu sobrenome dele, e aquilo foi tudo que ele fez. Desapareceu após a formatura, deixando Mariya com um filho. Ainda bem que sua avó queria ajudar a garota, aceitando-a em sua casa enquanto ela procurava estudar e trabalhar, e ao mesmo tempo, ser uma mãe presente na vida de Takuya, que havia se tornado uma benção na vida da mulher.

    Durante sua vida, era evidente que sua mãe e sua avó estavam dispostas a fazer de tudo para ele e não deixá-lo sentir necessidade de nada, mas Takuya nunca entendeu a ausência do seu pai. Via seus avós e bisavós casados, mas sua mãe não - e quando falou na escola, pela primeira vez, que a mãe não era casada, que não conhecia o pai, o burburinho foi grande. Algumas crianças até quiseram levar isso pra frente e transformar em bullying, mas desde cedo Takuya mostrou que não tinha nenhuma paciência para aquelas brincadeiras - e foi assim que acabou expulso de sua primeira escola, aos 10 anos.

    Algumas transferências ocorreram durante sua vida, pois apesar das boas notas, o jovem tinha uma paciência difícil de domar, e o interesse nulo em qualquer coisa da vida. Isto é… Até o dia que ele tocou bateria pela primeira vez. Tinha 15 anos e no clube de música da última escola pelo qual passou, tinha uma bateria. De início, não sabia exatamente o que fazer, mas aceitou entrar no clube e se responsabilizar em aprender a tocar aquele instrumento.

    Não parou por ai. Acabou se interessando por instrumentos de corda também, e até tentou cantar. Foi assim que acabou se juntando com seus amigos, que já tinham uma noção da cena visual kei, e montaram uma banda: X-TRAY. Assim que se formaram no ensino médio, o grupo de jovens - que consistia em sete pessoas no total, sendo quatro da banda e o resto se encarregava da produção - começou a fazer algumas gravações caseiras, e a banda se apresentava nos bares que permitiam a entrada deles. Takuya, que adotou o nome artístico Izaya, era o baterista da banda, e praticamente o agente deles.

    Sua mãe tinha um certo medo que ele se decepcionasse, mas também estava feliz porque, de certa forma, o filho seguiria o sonho antigo da mãe. Era como se, de certa forma, ele pudesse realizar o que ela tanto almejou. Então era a maior fã e apoiadora do filho, e dentro do possível, fazia de tudo para promover a banda para seus amigos e filhos.

    Demorou três anos para que conseguissem assinar com uma gravadora, e agora seus projetos eram maiores, mais relevantes. A banda cresceu até o ápice, até que… Não tinha mais para onde subir, então o único caminho era pra baixo. Takuya já havia se lançado como um cantor solo, que fazia uma reinterpretação de clássicos do enka para o rock, há pelo menos quatro anos, ainda mantendo seu nome artístico Izaya, e cada membro também tinha seu projeto solo. A queda real começou quando vídeos dos membros com groupies em “momentos íntimos” foram divulgados em fóruns de visual kei. Isso teve início em 2013, e eram vídeos tanto antigos quanto novos.

    Enquanto Izaya continuava se promovendo e promovendo a banda, Takuya estava constrangido, ainda mais quando aquilo chegou à sua mãe e sua avó. Mas ainda bem que pode se apoiar nelas, pois outros membros não tinham algum lugar de apoio. Aos poucos, a base que formava a banda foi desmoronando, e pareceu ruir por completo com a morte do vocalista, devido a uma overdose. Naquele momento, decidiram pelo fim oficial do X-TRAY.

    Takuya passou alguns anos ainda trabalhando com música, apenas como produtor, quando um dos antigos membros da banda o mandou um e-mail. Havia se tornado sócio de uma boate no Brasil e era lucrativo, talvez fosse o que Takuya precisasse para um novo começo na vida. A língua seria um desafio, mas já havia usado o Google Tradutor algumas vezes para responder fãs e poderia fazer aulas ali, e sabia inglês. Daria seu jeito, de qualquer forma.

    Então embarcou para o Brasil em 2015, se estabelecendo no bairro da Liberdade, próximo ao emprego. Inicialmente, fazia todo tipo de bico naquela boate. Garçom, bartender, consertos, manutenção e cuidados com as máquinas de karaokê, e quando seu português se tornou melhor, até host chegou a ser. Diferente do jovem que vivia se metendo em brigas, Takuya havia se tornado um homem que tinha facilidade em fazer contato com o público, em deixar as pessoas confortáveis perto dele.

    E quando eu ex-colega de banda resolveu que era sua hora de voltar para o Japão, foi Takuya quem assumiu seu lugar como sócio da boate. E após algum tempo, finalmente havia juntado dinheiro o bastante para comprar uma casa para sua bisavó e sua mãe, que haviam concordado em se mudar para lá depois do falecimento do bisavô. Sua mãe acabou se casando com um brasileiro que conheceu na Liberdade, descendente de japoneses, e a bisavó era a maior entusiasta de conhecer culturas novas - volta e meia ela se perdia em São Paulo porque havia se empolgado e ainda não sabia usar mapa digital. Mas tudo bem, todos viviam felizes daquela forma.

    Dentro da boate, para preservar sua identidade, havia há muito adotado novamente o nome Izaya, o que acabou se tornando um segundo nome para ele. Duvidada muito que alguém o reconheceria, e estava bem assim. Também, tinha um canal onde às vezes postava algo envolvendo música. Não havia largado sua paixão.

    Personalidade: 

    Com o passar dos anos e a maturidade batendo na porta, Takuya aprendeu a ser uma pessoa calma, fácil de levar, mas ainda assim, sempre tinha um pé atrás com todos que conhecesse. Talvez isso fosse um resquício do início da banda, quando sempre tinha que lidar com alguns contratantes caloteiros. Sabia reconhecer um de longe, inclusive.

    Apesar de ser difícil de irritá-lo, quando alguém consegue essa proeza, não é fácil acalmar o japonês. Uma vez com raiva, tende a ser explosivo e agressivo, o que não são coisas do qual ele se orgulha. Começou a frequentar um templo budista próximo de sua casa logo que se mudou, e com a prática do yoga e da meditação, conseguiu ganhar mais controle sobre essa parte da sua personalidade.

    Ambições para o futuro: 

    O que mais deseja é abrir uma lojinha de conserto e confecção de roupas para sua bisavó, que era uma ótima costureira e sempre quis ter seu próprio negócio. Também quer reatar os laços com seus avós, pois estes não tinham uma boa relação com sua mãe e, assim, acabou não criando uma proximidade com eles.

    Deseja, mesmo que de forma independente, continuar com a música na vida, pois aquela sempre seria a maior paixão de sua vida.

    O que é a Liberdade para o seu personagem?

    Um novo começo. Conseguiu reestruturar sua vida e de sua família ali, e mesmo que estivesse longe do seu país, conseguia matar um pouco da saudade andando pelas ruas, visitando os comércios. Era como se ainda pudesse ter um pouquinho do Japão em sua nova vida.

    View Full
  • toriirp
    17.09.2021 - 2 days ago

    TAECYEON - (@taecgroove)

    Nome completo: Koh Taecyeon. 

    Data de nascimento: 11/11/2000.

    Local de nascimento: Seul, Coreia do Sul.

    Etnia: Sul-coreano. 

    Residência: Liberdade. 

    Ocupação: Atendente na Livraria 47 e estudante de Design Gráfico na USP.

    FC: Soobin - TXT. 

    Temas de interesse: Angst, Crack, Fluff, Romance, Shipping, Smut.

    Trigger Warning: Bullying. 

    Biografia:

    Tudo parecia muito bom em Seul na década de noventa. Koh Taeha era mesmo a filha prodígio dos pais amados. Se não fosse pelo fato da menina ter quase uma vida dupla, tudo estaria ótimo. De dia cuidava do restaurante da família e estudava, tudo para deixar os pais contentes. De noite fugia pela janela para encontrar com suas amigas e curtir o melhor de Itaewon. Numa dessas muitas escapadas acabou conhecendo alguns estrangeiros e entre eles um brasileiro. O rapaz disse que estava ali a trabalho mas ela não se importou. Viver um romance proibido parecia muito atraente, até tudo descer pelo ralo. Foi no meio dessas noites de muita diversão e prazer, que o pequeno Taecyeon foi “encomendado”. A família não gostou nadinha disso e Taeha foi expulsa de casa. Quem poderia dizer que isso aconteceria? Qualquer um. 

    Bastou o menino nascer pra mais nova despejada ter que se mudar. A única sorte que teve foi o brasileirinho gatinho gostar da ideia de a levar embora consigo. Não precisou de muito pra conseguir um visto e cair fora do país que não a aceitava barriguda. Aterrissaram na famosa “Cidade Maravilhosa” e lá começaram a construir sua nova vida. O rapaz largou o exército para buscar algo melhor e a nova mamãe teve uma ideia excelente: por que não abrir um pequeno restaurante coreano? Tinha a culinária em suas veias! A família conseguiu dar a volta por cima - na medida do possível, consolidando o nome do restaurante e vivendo bem. O filhote cresce saudável e muito sorridente. O garoto aprendia o melhor dos dois mundos com os pais, ainda que a convivência com outras crianças não fosse sempre a melhor, afinal que estrangeiro não sofria bullying naquele maldito país? Mas ele descobriu como levar da melhor forma possível.

    Sua mãe nunca o deixou esquecer suas origens, mesmo que deixasse o mundo o influenciar de forma positiva. O garoto descobriu ainda na pré-adolescência o que gostaria de ser se tivesse em sua terra natal, mas com a distância acabou desistindo ainda no início. Focou em outras paixões, descobriu novos sabores e foi na arte que se encontrou. Uma pena que alguns anos depois seus pais passaram pela maior crise de todos os tempos e perderam o restaurante. Decididos a começar de novo, encontraram em São Paulo uma nova oportunidade: a comunidade asiática crescia e parecia sempre acolher seus filhos. Por que não começar de novo ali? Por que não sorrir pra vida?

    Personalidade:

    Apesar de sempre manter sorrisos no rosto, Taecyeon é de longe o rapaz calminho e super gentil que todo mundo pensa. Cresceu em meio a muito bullying e tanta raiva que costuma ter o que chama de “explosões raivosas”. Não gosta de ser assim, nem de longe. Tenta ser um bom rapaz, até porque não quer dar ainda mais trabalho para os pais que batalham desde sempre. Não perde uma festa e se você disser que vai ser divertido, pode ter certeza que ele vai estar lá. Amava praia, amava uma curtição. Sempre sendo a graça da festa, o centro das atenções! Dança, canta, faz piruetas e o que for necessário para deixar todo mundo feliz, mas deveria mesmo era dedicar todo esse esforço nos estudos, porque com as notas que acumulou da pré-adolescência, não poderia se orgulhar. Como conseguiu uma vaga na USP? Bom, você deve entender que quem corre atrás acaba conseguindo e ele, veja bem, correu como um maratonista. Passou meses estudando feito um condenado, virando noites com as caras nos livros. Depois de tanto esforço está lá, tentando mais uma vez manter o foco para que não dê desgosto aos seus pais. Sorridente, divertido, confuso e inconsequente, ele não é má pessoa, só… Se perde nos prazeres da vida.

    Ambições para o futuro:

    Dizer que ele sente falta de casa seria até maluquice, afinal não lembra como é Seul e nem pensa naquela cidade como a sua casa. Sente falta do Rio de Janeiro, sente falta da praia e dos vizinhos calorosos. Sente falta de se sentir livre e espera que, construindo uma boa reputação com seus trabalhos, possa provar um pouquinho dessa liberdade, ainda que morando em São Paulo. Taecyeon não liga tanto assim para dinheiro ou para patrimônio, mesmo tendo aprendido com seus pais que trabalhar para prover o melhor é o necessário. Ele quer curtir, sentir o calor queimando sua pele, assim como o sangue borbulhando em suas veias. Ele quer se sentir vivo com a arte que produz, com o amor que bota em tudo o que gosta, quer sentir vontade de viver! Pode ser louco sim, claro. Mas sonha em conseguir construir seu nome e sua marca, produzindo muito mais que apenas arte, produzindo amor.

    O que é a Liberdade para o seu personagem?

    Foi na Liberdade que se sentiu em casa mais uma vez e tudo bem que o bairro não tem nada a ver com a cidade onde foi criado, mas ali sentiu o gostinho de “quero mais”! Pensa num lugar que tem tudo que ele ama e mais um pouco. Pensa num lugar onde sonhos parecem realidade. Estava cercado de possibilidades, de sonhos e de uma energia positiva tão boa que nada mais parecia tão importante assim. Cercado de pessoas parecidas consigo, sem bullying, sem sentir que precisa se encaixar - porque ele definitivamente se encaixa sem fazer esforço! Taec se sente no mundo dos sonhos, onde tudo é possível, até mesmo ser feliz. Ele vai conseguir conquistar seu espaço e sabe que a Liberdade é o ponta pé pra isso.

    View Full
  • toriirp
    17.09.2021 - 2 days ago

    RAFAEL - (@rzfaei )

    Nome completo: Rafael Chen / Chen Jiyang. 

    Data de nascimento: 15/08/1995

    Local de nascimento:  Nova Taipé - Taiwan.

    Etnia: Taiwanês. 

    Residência: Liberdade. 

    Ocupação: Atendente na Livraria HK e professor de mandarim.

    FC: Lin Yanjun - solo, ator. 

    Temas de interesse: Angst, Crack, Fluff, Romance, Shipping, Smut.

    Trigger Warning: Xenofobia. 

    Biografia:

    Nascido no ano de 1995 em Taiwan, Chen Jiyang ou Rafael Chen, é filho de pai taiwanês e mãe brasileira. A mãe viajou para Nova Taipé com o objetivo de estudar um novo idioma, o que não esperava era que a viagem acabaria por tomar outro rumo após conhecer o senhor Chen. O taiwanês e a brasileira se apaixonaram quase que instantaneamente, até hoje fazem o filho acreditar em amor à primeira vista por conta disso.

    A mulher pretendia ficar apenas seis meses no país, mas como não queria perder o namorado — o qual não pretendia sair do país —, aceitou casar-se com ele e alterar a moradia para permanente. Exatamente dois anos depois, o primeiro filho do casal nasceu, eles não poderiam estar mais felizes.

    O rapaz não possui muitas memórias claras da infância em Nova Taipé, porém todas as lembranças nítidas são agradáveis. Teve uma infância calma e foi alfabetizado em dois idiomas, mandarim e português. A mãe fez questão de que Jiyang e a segunda filha, dois anos mais nova, soubessem ambos os idiomas. O mesmo serviu para adicionar também nomes brasileiros nos filhos, desde o início a mulher havia deixado claro que pretendia voltar para o país de origem. O senhor Chen sempre aceitou tudo muito bem, na época em que concordou com tudo, não pensou muito sobre o assunto, apenas não desejava perder a namorada. Entretanto, com o passar do tempo, começou a realmente se interessar pelo Brasil,  até mesmo estudando português junto das crianças.

    Quando Jiyang completou dez anos de idade, a mãe decidiu que era hora de voltar para o Brasil, muito tempo havia se passado desde a chegada em Taiwan. Os filhos não aceitaram muito bem a ideia.

    Se mudar para o Brasil foi uma experiência e tanto. Era um misto de sensações negativas e positivas. O garoto estava feliz em conhecer o lado brasileiro da família, explorar um novo local tão amado pela mãe e admirado pelo pai. Contudo, o choque cultural foi imenso, mesmo ele tendo sido preparado para a experiência, ninguém nunca prevê as coisas ruins. Talvez fosse por conta da falta de informações da época, mas as memórias da infância e início da adolescência em São Paulo, não são tão agradáveis quanto as lembranças anteriores.

    Ele passou a usar apenas o nome Rafael no novo país, não somente por ser mais fácil de ser pronunciado pelos falantes de português, como também por não aguentar as piadinhas com seu nome durante a escola. Escutou diversos apelidos e piadas pejorativas sobre seus traços e culturas, o que fez o menino se envergonhar de suas origens por certo tempo.

    Fez de tudo para ser aceito pelos colegas preconceituosos, era tudo tão cansativo que começou a perder o próprio brilho. Quando atingiu os quinze anos de idade, os pais finalmente notaram a mudança bruta no comportamento do mais velho, este contou tudo o que lhe chateava. Preocupados, os pais descobriram o bairro Liberdade e essa foi a melhor solução encontrada para o grave problema. Assim que se mudaram, Rafael passou a frequentar uma nova escola localizada no bairro, conheceu outras pessoas com sua cultura e de culturas diferentes, mas que tinham respeito. Sentindo-se mais em casa, o garoto descobriu ser apaixonado por literatura e idiomas, dedicou-se o suficiente para conseguir adentrar o curso de Letras na USP.

    Já dentro da faculdade, cursando Letras com habilitação em mandarim, Chen começou a estudar mais sobre a própria cultura e recuperou o orgulho que sentia pela mesma. Atualmente é formado e ensina mandarim para crianças e adolescentes. Além disso, trabalha também na Livraria HK, onde pode ficar perto de sua maior paixão, os livros. Vez ou outra é pego tentando ensinar mandarim para aqueles que vão atrás de materiais para estudo.

    Personalidade:

    Rafael é o que pode ser chamado de borboletinha social, é extremamente extrovertido e animado. Por outro lado, muitas vezes pode ser enxergado como egocêntrico e narcisista. Costuma fazer de tudo para agradar os outros, às vezes fazendo o que não quer, ainda sim, nunca aceita estar errado em discussões e pode ser impaciente caso contrariado. É muito sensível e seus sentimentos podem ser facilmente feridos, assim como seu ego.

    Ambições para o futuro:

    Pretende continuar trabalhando em seus dois empregos até ter dinheiro o suficiente para publicar o próprio livro com traços da literatura taiwanesa.

    O que é a Liberdade para o seu personagem?

    A Liberdade é para Rafael o seu lugar favorito. Apesar de amar Taiwan e outros lugares específicos que visitou dentro do Brasil, nada se compara ao seu lar. O bairro possibilitou que o garoto superasse o seu pior trauma e pudesse recomeçar aos poucos. Não é como se nunca mais tivesse sofrido preconceito após mudar-se, mas com certeza as diferentes culturas presentes no local o ajudaram a lidar melhor com isso.

    View Full
  • toriirp
    17.09.2021 - 2 days ago

    GEKKA - (@mogekka)

    Nome completo: Morohashi Gekka. 

    Data de nascimento:  24/03/1997.

    Local de nascimento: São Paulo - SP. 

    Etnia: Nipo-brasileira. 

    Residência: Liberdade. 

    Ocupação: Estudante de Medicina na USP.

    FC: Mina - TWICE. 

    Temas de interesse: Angst, Crack, Fluff, Romance, Shipping, Smut.

    Trigger Warning: Abuso parental, non-con, sexo de menores, sexo entre professor e aluna.

    Biografia:

    Aquela família nunca foi comum e estava fadada ao sucesso, independente do que fosse preciso fazer para alcançarem aquele patamar mais alto da sociedade brasileira. Seu pai era formado em Direito e através de diversos esquemas políticos, conseguiu chegar ao cargo de juiz, tornando-se um membro indispensável na aplicação das leis que regiam a cidade de São Paulo. Para assegurar aquela posição, ele precisava mostrar a todos que era um homem assíduo e foi por isso que se casou com uma mulher, cujos pais estavam envolvidos em política. Era um acordo interessante para ambos os lados e assim firmaram o matrimônio em uma noite de agosto. 

    Desta união, nasceram trigêmeos: dois homens e uma mulher. Como maldição do destino, Gekka foi a última a vir ao mundo e automaticamente se colocou atrás de seus irmãos em qualquer aspecto que viesse a se desenrolar em sua vida dali pra frente. A ideia de que precisavam ser perfeitos diante a alta sociedade brasileira chegava a ser absurda, mas os três entenderam que o mundo não era deles ainda e rebeldia nunca foi bem vista naquela casa, sendo passível de punições severas caso se desviassem o mínimo que fosse do que o pai considerava aceitável. 

    Gekka, por ser mulher, teve uma criação diferente dos seus irmãos. Desde pequena, foi introduzida ao balé clássico, à música, à etiqueta, à culinária, pois sua posição naquela família era apenas para assegurar um casamento de sucesso no futuro. Sua educação foi feita nas melhores instituições e os irmãos eram impossíveis de serem combatidos em notas, sempre tão perfeitas e que lhes asseguravam o topo em todas as provas e rankings de alunos. Gekka não podia dizer por seus irmãos, mas ela tinha seus meios de conseguir algumas questões de prova. Ainda que boa parte de seu rendimento devesse por seu próprio esforço (porque sua mãe não admitia que ela fosse menos que perfeita, por querer que todos a considerassem uma cópia perfeita de si mesma), ela também tinha alguns truques na manga para conseguir ser sempre a melhor.

    Ela era boa em conseguir o que queria. O seu dinheiro e beleza lhe asseguravam muitas coisas, e ela tinha dois ou três professores na palma de sua mão na escola, os quais ela provocava e provocava para ter o que desejava. Uma dessas provocações não seguiu com desejava e o professor exigiu receber pelo que dava a Gekka. Ela não sabia se devia ter perdido a virgindade naquela sala aos fundos da quadra da escola, mesmo que aquilo tivesse lhe garantido mais algumas regalias até a formatura do colégio (e mais alguns encontros após a aula com esse mesmo professor). 

    De qualquer forma, seu destino já estava traçado. Com o irmão mais velho pronto para cursar Direito e do meio enroscado com a Engenharia, restou a ela cursar Medicina. Não era o seu curso de preferência, Gekka preferia muito mais a área de Humanas, como História, Literatura Japonesa/Brasileira ou Letras, mas novamente ela não tinha opção e acabou aceitando a única opção possível na mesa. 

    Dedica-se ao curso da mesma forma que se dedicaria a qualquer outra coisa, mas não gosta de Medicina. Para ser bem sincera, ela detesta. Só faz para agradar o pai e para manter seus luxos, porém tem planos para quando finalmente se formar, os quais não compartilha com ninguém, por medo de estragarem seu sonho. Enquanto passa pelo martírio da Medicina, Gekka preenche seu tempo livre com prazeres e dramas dignos de televisão.

    Personalidade:

    É a famosa come quieto. Gekka é muito, muito boa em fingir, se esconder e se não fosse isso, nem teria chegado onde chegou. Viver à sombra dos seus irmãos era até uma coisa boa, pois os olhos da família não ficavam focados em si, o que a permitia sair um pouco mais da linha, o suficiente para garantir que não pirasse de vez em meio àquela vida que detestava, mas sabia que deveria ser agradecida. Se considera ambiciosa, mas prudente. Não sai atropelando tudo para ter o que quer e confia em sua própria discrição para conseguir as coisas, sobretudo quando envolve seus interesses. 

    Porém, ela pode ser um pouco falsa, fingindo que gosta de alguém só por interesse, mas seu rostinho delicado e sorriso agradável costumam passar a impressão de que é confiável e que nunca seria capaz de fazer mal a uma mosca. Bom, ninguém sabe, não é? Sendo filha de quem é, é de se duvidar. Pra não achar que a Gekka é um poço de estrume, ela tem algumas qualidades como organização e empatia (por quem merece). Pode ser bastante carinhosa e atenciosa, caseira e romântica, mas tudo depende da pessoa com quem ela está lidando.

    Ambições para o futuro:

    A única vontade soberana de Gekka, no momento, é acabar logo a faculdade de Medicina. Depois disso, até pode fazer uma residência só para garantir uma boa renda e honrar o sobrenome do seu pai pelos corredores do Albert Einstein ou do Sírio-Libanês, mas isso só pra poder bancar as faculdades que são mesmo de seu interesse e, quem sabe, se livrar um pouco do peso social e familiar. Não se importa de ser expulsa de casa no final da jornada, contanto que possa sorrir pro diploma que sempre quis ter na área de Humanas.

    O que é a Liberdade para o seu personagem?

    É onde ela nasceu, estudou, cresceu. Onde se conectou com as raízes de seus antepassados, onde pode ter um pouco da experiência de estar entre pessoas que são suas iguais. Gosta da forma com que as pessoas se interessam pela cultura oriental, mas não gosta da forma como os tratam como se fossem todos iguais. Hoje em dia, ela já não se importa muito, consegue conviver pacificamente. Não quer sair da Liberdade, gosta do bairro e de sua história nele e espera ficar ali até o fim dos seus dias.

    View Full
  • sublimefunfire
    17.09.2021 - 2 days ago

    Aras envia parecer a Moraes e pede liberdade de 'presos políticos' e arquivamento de inquéritos

    Aras envia parecer a Moraes e pede liberdade de ‘presos políticos’ e arquivamento de inquéritos

    Dessa forma, as prisões de Roberto Jefferson, Daniel Silveira, Zé Trovão e Wellington Macedo deverão ser revogadas. Na tarde desta quinta-feira, 16, o Procurador-Geral da República, Augusto Aras, emitiu um parecer pedindo o arquivamento de todos os inquéritos relacionados à Lei de Segurança Nacional, o que inclui o inquérito dos supostos “atos antidemocráticos”. Segundo Aras, esses inquéritos…

    View On WordPress

    View Full
  • cesarapenas
    17.09.2021 - 3 days ago

    Nem Todas as Conspirações São Proibidas

    Nem Todas as Conspirações São Proibidas: Veja como o novo "documentário" do Brasil 247 sobre o atentado a Jair Bolsonaro revela a diferença do tratamento de teorias de conspiração à direita e à esquerda.

    O blogue de propaganda Brasil 247, por meio da sua TV 247, lançou um documentário chamado “Bolsonaro e Adélio — uma facada no coração do Brasil“, que sugere que o atentado sofrido por Jair Bolsonaro em 2018 foi uma farsa. A peça, assinada pelo “repórter investigativo” Joaquim de Carvalho, vem sendo insistentemente promovida pelo blogue e por políticos petistas como “o caso da fakeada”, com a…

    View On WordPress

    #agências de checagem #Eleições 2022#fake news #Folha de S. Paulo #Jair Bolsonaro #Joaquim de Carvalho #liberdade de expressão #Partido dos Trabalhadores (PT) #política brasileira #teorias de conspiração
    View Full