#love story Tumblr posts

  • image

    she kept her

    fingers crossed

    behind her back

    never admitting whether

    she was waiting on wishes,

    holding onto hope,

    or concealing broken promises

    [ each seed is a different story ]

    .

    📷: April Henry Photography

    View Full
  • I spent the majority of my life (if we include only of that I can remember then the entirety of my life) an anxious, depressed mess. I had gone through countless friends, countless forgotten dreams, and had ended up in a place I didn’t expect to get out of. I never expected anyone to fall in love with me. How could they if I didn’t love myself? How could they if I didn’t know myself? I had spent years adjusting my personality in the hope that I might fit in more that I forgot who I was. All I knew was that I did not like myself, and was convinced the world did not like me either.

    Months prior to meeting my love I missed out on an opportunity to start on a career path I thought was my dream, and instead was led on a different path. This is where I met her. Yes her. Did I forget to mention that up until this point I had always considered myself straight (however had questioned it over the years)? And yet on the first day of seeing her, I knew I wanted to know her, I thought that possibly I might even want to date her. But I didn’t, not right away. 

    On the third day of knowing her, we spent 2 hours talking after class. I am not a talker. We bonded over mutual interests. We discovered that we live not but 5 minutes from each other, and throughout our time together have learnt of many many incidences where we almost met. I, for the first time in my life, felt as if I could be myself, that no part of my personality or how I spoke or how I acted was any sort of fabrication to get her to like me or befriend me. I was but me, and she liked me anyways. 

    I spent more time talking to her than I have ever spent talking to anybody in my life. I spent more time outside of my bedroom than I had since I was a child making mud cakes in the backyard. I spoke and shared and listened more than I ever thought possible. 

    And as I got to know her I realised that we were more similar than I had first gathered. She too had been an anxious and depressed mess for years, and was still struggling with it. She too was nerdy and geeky in a way you wouldn’t usually expect of a girl (although she presents way cooler than I ever will), She too dreamt big but never dared to chase them. Early on we agreed that we would chase the goals together.

    We spent the next 6 months experiences life in a way neither of us had before. We were inseparable, spending hours at a time talking and driving and talking some more. We left each others company and within minutes were texting all night. We road-tripped, visited new cities and explored cool places. We jumped out of a plane. We drove interstate. We flew interstate. We planned. We experienced. We lived. 

    It wasn’t the easiest 6 months of our lives though. Being around each other, finally having someone we felt comfortable opening up to brought up a lot of repressed emotions and experiences. But we fought through them together. And even though we still battle today, we are much stronger than we were without each other. 

    Neither of us could picture a life without the other. We couldn’t even remember what it was like before we knew each other. I knew, truly knew, she would be in my life forever. What I could never have prepared for is how she would be in my life. 

    We were both straight. We both had never been in a relationship. And yet we both secretly (secret sometimes to ourselves as well) were in love with the other. Looking back now it is shocking we never noticed it, but I do believe we were both too scared to chase what we really wanted in fear that the other might not feel the same. But a few days before our 6 month anniversary, we finally admitted to each other and to ourselves that this was more than just friendship. 

    We were in love. We are in love. And there is no doubt in my mind or hers that we will be in love for the rest of our lives.

    Through the darkness that was my life, I found a light. It did not take the form I did expect, nor did it come when I expected, but my life is much brighter with it. 

    This is the story of how I met the love of my life.

    View Full
  • Love Story, 128 (3), 17 October 1936, p. 39

    View Full
  • You understand that it’s not always sugary and cherries but life really gets me through times I can’t handle.

    And I understand that you need to go 5 hours without talking to me.

    But when you’ll call, all you’ll hear first, “I love you”.

    And I love you for real and I know that living with you is much easier than being with anyone.

    There might be times when you go mad at me and there are, surely, times I throw up at you.

    But life is really bananas and we can’t peel off the heat of the screen we sparkle or we can’t get the stars aligned too.

    What we can do is admire the sky as it shows up in late night sky. Cause, when it’s night, it surely gonna be dark, black, darker than the fates. So when the stars are shining, instead of searching for orion we shall praise any other north star shining far away. It is far, but still shining. Like the love we share. In the heat of the argument. It is always there. And that’s how we need to get through this time. Far, dark, black, fought, thoughts we can’t escape, skies we didn’t burn, but we’re in it together. So we’re gonna make it through tough days. And I want you to read this when we fight for some issues that shouldn’t be bothering us. Or over your candies that I forgot to bring. Or the times I make a fool of you in public. Or when you mock me with you tantrums. Whatever comes. Whoever comes between us. Whenever we fight. I just want to make sure that I can never lose you.


    It’s just momentary. My anger over you.

    I love you, for real.



    @randomscribbler-guywholovedher

    image
    View Full
  • This just… happened.

    image
    image
    image

    Hear me out, because it’s late and I have so many questions.

    image

    This photoshoot occurred on or before 5/22/19, according to her trollgenius instagram post. Fashion lover Dianna Agron has yet to mention the (stunning, beautiful, gorgeous, talented, life-changing, earth-moving, soul-igniting, etc. etc. etc.) final photoshoot on her Instagram as of the end of March 2020.

    image
    image
    image

    Why was such effort taken for such a beautiful shoot?

    What was it meant to promote for Dianna, either last year or this year?

    Why wasn’t there an interview or article?

    Why was it randomly released to the Financial Times (???) in mid-March 2020?

    Why isn’t there any information about this project other than the photography is by Damian Foxe and the styling is by Elad Bitton?

    If Bitton By A Foxe wasn’t founded until 2020 and Damian Foxe was former fashion director with the Financial Times, was it shot for the publication or was it a personal art project between friends/colleagues for a new creative venture?

    Why did this stunningly gorgeous photoshoot just happen to be entirely based on Romeo and Juliet for no apparent reason?

    Why did it take so long to surface when we know it was shot during/before May 2019, and why was it so low key?

    image
    image
    image

    Like…she just…did that.

    #💭#dianna agron#✌🏼#🧜🏻‍♀️#🎨 #romeo and juliet #love story #miss americana and the heartbreak prince #swiftgron#🔥🔥
    View Full
  • Love Story by Taylor Swift really does still slap after all these years.

    View Full
  • so i think it’s time i tell y’all the story of the mysterious china fish aka corona fish

    so i was at my house one day and a weird package came at my door

    it was addressed to my place but i didn’t order it and i checked with the other people who live at my house and they said they didn’t order it

    it came from this place in china but i can’t remember where exactly but apparently 2 australian tourists were tested positive with “the nono disease” and hospitalized there

    it’s kind of a relic for me now

    i wipe my tears with it actually

    so i did a lil research and and apparently its from this weird website called “savemoney.es” and its supposed to wiggle around and smell like catnip like a real fish and it’s also supposed to be “overly sized” ???

    i guess it was defective so they just sent it to a random address but

    i love it and it has like serious sentimental value


    tl;dr if you get a weird package in the mail, love it and treat it like your child

    #fish#story time#love story#my son #i love him #my sonnnnn#my babby#ohhhh darlin #please believe me #i'll never do you no harm #believe me when i tell you #i'll never dooo you no harm
    View Full
  • “She’ll only break your heart, it’s a fact. And even though I warn you, even though I guarantee you that the girl will only hurt you terribly, you’ll still pursue her. Ain’t love grand?“

    Great Expectations, 1998

    View Full
  • image

    tag the ferocious warrior woman in your life 💋

    ______________________________________________

    💜 follow @mywordsarewings ✒ for more

    ______________________________________________

    🕊️ like 🕊️ share 🕊️ save 🕊️ tag

    ______________________________________________

    View Full
  • Lea & Zandy Reich - Close To You ♡

    View Full
  • image
    image
    image
    image
    image
    image
    image
    image
    image
    image

    Ha-Seon e Yoo So-woon Happy Ending ❤ (facciamo finta che mi sia piaciuto)

    View Full
  • View Full
  • Du schreibst mir.

    *Mein Herz rast.*

    View Full
  • Verde e Azul


    Desde aquele dia, ele nunca sentiu que os olhos azuis o olhassem de verdade. É claro que seu verde e aquele azul sempre se encontravam, e neles ele via a profundidade das ondas do mar. Às vezes, perdia-se no azul em suas conversas que duravam para sempre, ou quando percebia neles o reflexo do sol e do céu. E o Azul, quando se encontrava com o Verde, também por ele se derramava nos mais profundos amores, podendo caminhar com o Verde por horas e horas, perdendo-se em palavras e em caminhos. Mas nenhuma daquelas caminhadas e trocas de palavras era a mesma, desde o dia em que ele a tirara dos braços do Mar.

    Lembrava-se como se tivesse acabado de acontecer, e vivia o momento de novo e de novo. Nas memórias, conseguia vê-la novamente naquela praia, sentada na areia gelada em frente ao Mar. O céu tão cinzento que, no horizonte, não saberia dizer o que era céu e o que eram ondas, e a brisa fria e salgada balançava os cabelos dela, ainda molhados. Lembrava do jeito que abraçava as desnudas pernas, em um gesto que parecia acolher sua nova forma, seu novo corpo. Não parecia se acostumar com a nova maciez, tomando o lugar onde antes sempre ficaram as escamas. Lembrava de como aqueles olhos azuis tão claros estavam, naquele dia, confundindo-se com o céu. Eles o olharam, e ela sorriu.

    E ele também sorriu. Diminuiu rapidamente a distância que os separava na praia, tomou-a nos braços e a beijou. Ela estava gelada e molhada, salgada de mar, e estremecia um pouco em seus braços. Ainda não era capaz de manter um perfeito equilíbrio sobre seu novo par de pernas, e ele amou-a ainda mais por aquilo. Amou-a quando cobriu sua nudez com um casaco velho, largo e surrado, e serviu de apoio para que caminhassem até sua cabana perto da praia. Naquela noite, amou-a ainda mais quando se uniram pela primeira vez.

    Não lembrava direito quando que tinha começado a amá-la, já que seus sentimentos pareciam caminhar e esticar-se em seu fluxo de memória. Em todas as lembranças que tinha dela, amava-a. Desde aquele dia em que mar e céu se misturavam, mas não em cinza. Naquele dia, tudo era azul: céu, mar, olhos. Os viu emergir na superfície serena de águas, e tomou um susto enorme. Sempre acreditara estar sozinho a flutuar por aquelas ondas, e aquela foi a primeira vez em tempos que se viu em meio ao contrário.  

    No começo, não trocaram palavras. Ela, aparentando estar tão surpresa e confusa quanto ele, rapidamente mergulhou e tornou a desaparecer em meio às ondas, quase tão rapidamente quanto tinha aparecido. Em um piscar de olhos, terminara. Restou-lhe sentar-se de volta no úmido chão de seu barquinho, sentindo o marolar do oceano como a inda e vinda de seus pensamentos, que ainda pareciam duvidar se aquilo tinha mesmo sido real.

    Pois é claro que ele já ouvira falar de criaturas que nem ela – lendas e histórias das mais diversas e que lhe eram familiares, desde sempre, – e embora para muitos não passassem de meras superstições, aqueles que vivem para o mar sabem apenas que nunca conheceriam todos os mistérios por debaixo de todas as ondas.  

    Considerou-se sortudo o suficiente por encontrá-la daquela vez, e tentou seguir sem pensar muito em como o azul dos olhos dela confundia-se com a cor do Mar.

    Ela, é claro, voltou no dia seguinte. Pôs o rosto um pouco mais acima da linha da água, e o olhou por alguns momentos. Ele sorriu, e ela tornou a mergulhar. Antes de sumir, ele viu um esbocinho de sorriso nos lábios que via pela primeira vez.

    Os dias sucediam-se como o vem-e-vai do encontro das ondas com a praia, e a cada dia a distância entre sereia e marinheiro diminuía. Quando trocaram a primeira palavra, pareceu que ela nunca sequer estivera lá. Ela usava a voz de maneira roca, tímida, parecendo saborear cada palavra que sua voz era capaz de produzir; ele, sentindo que jamais havia aprendido palavra alguma. E elas desenhavam-se no ar e tornavam-se frases que viravam diálogos, expressavam sentimentos e desejos e inseguranças e medos. Cada vez mais, parecia que se conheciam há anos, sentindo que o oceano profundo que os separava nunca estivera lá.

    O oceano, é claro, estava. E por mais que tentassem esconder esses pensamentos, eles continuavam lá, a cada dia tentando se fazer ainda mais presentes. O que poderiam fazer? Como se ama alguém que foi feito para pertencer a outro lugar?

    “Talvez eu saiba o que fazer”, ela disse um dia. Deitavam-se em uma rocha que as ondas atingiam, quando os dias já estavam começando a esfriar. Pensava em segredos antigos, mistérios de seu povo que já ouvira falar. Haviam histórias sobre aqueles que mudaram de forma, e ela perguntava-se se seriam reais… Os olhos Verdes esboçaram curiosidade, e não conseguiam esconder um início de alegria, de esperança. Os Azuis estavam nele, mas pareciam também estar em outro lugar, outros lugares. Ela pensava e, de repente, parou. Sorriu. Seu Azul encontrou com o Verde, e ela sorria tanto que ele começou a rir também. “Eu amo tanto você”, ele disse “e tudo o que eu quero é que fiquemos juntos”.

    Tudo o que queria era que ficassem juntos, e ficariam. E, naquele dia em que céu e mar confundiam-se no horizonte em tons de cinza e o vento batia salgado, quando a encontrou na areia na frente do oceano que havia sido seu lar, ele soube que havia funcionado. “Eu estou aqui agora” ela disse, enquanto ria e derramava alegria salgada pelos olhos, surpresa por existir um mar também dentro de si. “Estou aqui e estamos juntos, você entende? Sou sua.”

    E ele, dela. E os dias passavam e passavam, os sentimentos cresciam e se esticavam. Ela passou a viver em sua cabana, e cada segundo juntos eram um mar de novos sentimentos a transbordar.  Às vezes, conversavam tanto que seria um tolo qualquer um que os tentasse convencer que havia existido um dia em que eles eram estranhos um para o outro.  

    Ela gostava de passear, de andar e correr. Gostava de sentir o vento, e a grama e a terra em seus novos pés. Usava-os descalços – não entendia o porquê de se privar do prazer de sentir o mundo abaixo de si. Gostava de correr na frente dele, e depois olhar para trás e ver que ele estava lá, a olhando, rindo. Voltava correndo só para poder pular em seus braços, porque não gostava de ficar muito tempo longe. Gostava de dançar com ele, e amou descobrir que poderia se movimentar ao som de melodias – que também lhe eram novas, excitantes. Gostava de senti-las, e amou descobrir que o som também poderia ser tão belo.

    Gostava de fazer amor. Às vezes, eles poderiam passar um dia inteiro perdidos no amor um do outro, adormecer juntos e depois fazer mais amor. Entrelaçavam suas pernas por debaixo das cobertas, isolavam-se do mundo e se aqueciam com o corpo um do outro. Verde e Azul pareciam não se separar por um segundo, até que, um dia, ele percebeu.

    Começou com um pressentimento, uma pontada de intuição que fez o possível para ignorar. Aumentou em um dia que estavam na praia, quando a levou para velejar pela primeira vez. No princípio, ela amou o barco e a sensação de flutuar – ela, que sempre fora acostumada com a sensação do mergulho. Passava os dedos pela beira das águas, sentia o seu sal gelado e molhado. Sorriu ao ver um peixinho aparecer quase na superfície, e seus olhos acompanhavam o nadar feliz. E uma sombra de tristeza – se tivesse piscado, Verde nem a teria visto – escureceu seu rosto por menos de um segundo, menos de um momento. Mas ele a viu, e por lá ela tinha passado. Não fingiu que não sabia de onde ela vinha – de alguma forma, alguma parte dela deveria sentir saudades. Não sabia o tamanho daquela parte, mas sabia que ela existia.

    Tentou deixar aquilo de lado, tentou esquecer, mas ele veria aquela sombra de novo. Porque a sombra cresceu.

    Às vezes, conversavam por horas e horas antes de dormir, e ele nem sabia onde que terminava a conversa e começava o sonho. As brumas da noite envolviam sua visão e as palavras que ela dizia, até tornar-se impossível distinguir quando estava em sonho ou desperto. Era como estar naquele breve momento logo antes de adormecer, em que pensamentos e sonhos se confundem.


    Em um desses momentos, a viu olhando pela janela, o rosto sendo tocado pelas brisas noturnas. O cheiro salgado trazido pelo mar parecia envolver o quarto inteiro, mas ela tinha os olhos bem abertos. Fixos naquele horizonte não tão distante, naquele oceano negro como o céu que refletia. Fixos naquele lugar que tinha sido sua casa, e uma lágrima silenciosa percorria o caminho de seu rosto até derrubar-se no parapeito. Silenciosa, ela chorava. E ele viu.

    Ela logo tornou a deitar-se, e aninhou-se a ele para voltar a dormir. E Verde perguntou-se se tinha mesmo presenciado aquele momento tão íntimo, ou se teria apenas sonhado. Mas se fosse mesmo sonho, seria por isso menos real?


    Não poderia culpá-la por distanciar-se mais e mais, a cada dia que passava. Pois ela ainda estava ali – seu corpo, seu amor estava ali. Ainda riam juntos, dançavam juntos, faziam amor. Ainda vivam juntos, e seu amor um pelo outro ainda crescia. Apaixonavam-se todos os dias um pouco mais, e não sabiam ficar em qualquer outro lugar que não fosse perto um do outro.

    Mas a mente dela, a sua alma… ele sabia que não estavam realmente ali. Sabia que dividiam-se entre aqui e lá, entre o antigo lar e o novo. Sabia que ela não queria ir – amava seu novo lar e amava a ele. Mas qual o tamanho de sua parte que queria, realmente, ficar?


    Levou-a à praia, e colocaram juntos os pés nas águas do mar. A imensidão do azul de seus olhos encontraram-se com o do mar, e perderam-se nele por um instante. Ela suspirava profundamente, não como que de alegria ou emoção - parecia sentir alívio. Ele pegou em sua mão, entrelaçando os dedos em sua pele fria. Beijou seu rosto, olhou seus olhos e ela olhou seu verde. O silêncio entre os dois parecia dizer mais que qualquer palavra que já trocaram, pareceu durar a infinidade de um oceano.  

    “Às vezes”, ela disse, finalmente “eu sinto que não consigo respirar.”

    “Eu sei.” respondeu, após outro infinito. Desde o dia em que a tirara dos braços do Mar, ele sabia.


    A verdade é que ele passara a vida inteira flutuando sobre aquelas águas, e era isso o que ele sabia fazer: flutuar. Conhecia a superfície e a reconhecia como sua igual; sabia seus temperamentos e sentimentos, quando estava calma ou furiosa.

    Mas ela era feita para mergulhar, explorar. Para ela, a superfície nunca seria o suficiente, e quando ele percebeu isso, chorou.

    Ele era verde, como a terra, o chão que cobria o mundo sem o penetrar.

    Ela, azul como o infinito do céu, como o infinito do mar.


    Foram de barco mais longe do que quanto realmente precisavam, as mãos sem se soltar por nenhum momento. Estendiam cada segundo, percorriam cada centímetro de mar adiando o momento do adeus. Não trocavam palavras, porque nem sabiam bem o que dizer. Parecia que tudo já tinha sido dito.

    Estavam longe da praia quando decidiram parar. O oceano os rodeava, e todo seu horizonte era preenchido de mar. Nos olhos dela, aquele mesmo Mar – o azul profundo, brilhante, infinito. Não sabia quanto azul vinha dela e quanto era apenas reflexo. Perdeu-se neles pela última vez.

    Ela, perdeu-se no seu Verde, o verde da terra que nunca fora seu lar, mas que amava. Perdeu-se no amor que sentia por ele, na intensidade daquele sentimento que não tinha mais lugar para crescer em seus mundos. Às vezes, ama-se quem pertence a outro lugar. Existe lugar em que esse amor pertença?

    Beijaram-se, tocaram-se pela última vez. Suas mãos se soltaram, e naquela mesma superfície em que amara os olhos azuis no momento em que os viu emergirem pela primeira vez, ela imergiu. A última coisa que viu foi o mergulhar de sua cauda esverdeada.

    View Full